Paranapiacaba

Paranapiacaba. Vila em estilo inglês no pé da Serra do Mar em São Paulo, longe dos grandes centros urbanos, preserva arquitetura do século dezenove e encanta com seu visual único e histórias para os visitantes. Vamos conhecer um pouco de um lugar escondido, mas muito importante no desenvolvimento da região.

bussola-quebrada-Paranapiacaba

Olha A Bússola Quebrada em Paranapiacaba!

Ainda lembro do tempo em que ia para esta vila no meio do nada de trem velho, com madeira nos vagões e janelas, das fotos que fiz com a cabeça para fora, das paradas em estações que hoje não estão mais ativas.

Pequeno distrito do município de Santo André, próximo de São Paulo, Paranapiacaba é uma palavra do dialeto Tupi, que significa lugar de onde se vê o mar. Claro que o visitante não verá o mar estando na pequena vila, mas se subir em um dos morros que cercam a cidade, verá as trilhas, as linhas de trem de carga, as casinhas em estilo inglês, num dia de sol, verá a cidade de Cubatão e finalmente o mar, no litoral do estado de São Paulo.

casa-colorida-Paranapiacaba

A casa mais colorida de Paranapiacaba!

Na postagem de nossas viagens de Carnaval, já comentei sobre Paranapiacaba. Lembro que comentei que a vila era estação de parada antes da Serra do Mar, recolhia produtos e cargas diversas e ligava a cidade de Jundiaí a Santos, e por consequência, aos portos do litoral paulista. Logo mais vamos falar de Jundiaí também.

kombi-Paranapiacaba

Este é o tipo de coisa que você vai ver em Paranapiacaba.

A vila é inglesa porque foi montada, ou fundada, pela São Paulo Railway, empresa ferroviária que inaugurou essa linha férrea no dia 1º de janeiro de 1967. No começo, a linha transportava passageiros e cargas, principalmente o café do interior paulista para os navios no porto. Os vagões de passageiros foram substituídos por trens de carga. Em 1874, foi inaugurada a estação de Alto da Serra, rebatizada de Paranapiacaba.

estacao-relogio-ingles-torre-Paranapiacaba

O relógio inglês de Paranapiacaba. Idêntico ao da Estação da Luz em São Paulo.

As ampliações nas linhas levou à necessidade de mais pessoas trabalhando no local. Como chegar a Paranapiacaba era difícil, a São Paulo Railway construiu alojamentos e casas para os trabalhadores e suas famílias, então, as casas eram da empresa e lá só moravam funcionários. A origem da vila foi por necessidades logísticas.

O visual da vila é bem dividido. Do lado alto está a igreja, que apesar de ter placa de 1889, teve a primeira missa celebrada em 1884. Ao lado da igreja está o pequeno cemitério.

igreja-Paranapiacaba

A igreja de Paranapiacaba. Gostava mais quando as cores eram azul e branco.

Descendo até a estação de trem, o visitante poderá ver a torre e o relógio inglês no mesmo formato do que existe na estação da Luz, na capital de São Paulo. Os dois relógios são construção da mesma empresa, Johnny Walker Benson de Londres. O chamado lado baixo concentra o clube, o Museu do Castelinho e a maioria das casas de madeira feitas no estilo inglês.

Indo para o lado baixo, o visitante passa pela casa de bebidas de Paranapiacaba, em que o Moretti produz suas especialidades e reclama da falta de garrafinhas em miniatura para vender cachaça e licor de cambuci a colecionadores. As meninas costumam preferir o licor, mais docinho e suave. Mas num dia frio, a cachaça de cambuci aquece bem o peito. Está aí uma bebida que fui conhecer em Paranapiacaba.

cambuci-Paranapiacaba

O Moretti e suas bebidas feitas de cambuci.

O visitante pode parar com calma no lado alto da vila e ver o morro, o lado inglês, que tem um ‘sotaque visual’ e a estação de trem, que hoje transporta apenas cargas.

No total, a linha férrea duplicada atravessa 11 túneis cavados em rocha, enfrenta um desnível de 796 metros e liga Piaçaguera ao interior do estado, tendo Paranapiacaba como parada rápida para recuperar o fôlego e continuar a jornada.

locomotiva-trem-carga-Paranapiacaba

As atuais locomotivas para carga percorrendo a famosa estrada Santos-Jundiaí.

Pela estação de Paranapiacaba passaram trens como o Cometa, considerado o mais rápido da época, mas que durante anos ficou apenas enferrujando no final da linha, o Expresso de Prata, que era de passageiros e mais recentemente os Expressos Turísticos da CPTM, empresa que herdou o patrimônio da RFFSA, que por sua vez, herdou as linhas e os trens da São Paulo Railway.

puxadinho-Paranapiacaba

A cenografia do improviso faz de Paranapiacaba visita até para estudantes de engenharia e arquitetura.

Turismo em Paranapiacaba
Além da arquitetura inglesa e a estação, contam as histórias que  a torre do relógio foi construída com legítimos tijolos britânicos, trazidos do velho continente e montados aqui no Brasil. E a visita ainda tem mais a mostrar:

bar-sobrado-ladeira-Paranapiacaba

O bar do lado alto fechou, mas há mais lugares do lado baixo de Paranapiacaba.

Maria Fumaça
Recentemente, o pátio ferroviário tem sido aberto para a visitantes e há ainda um passeio de trem de ferro. A locomotiva, famosa Maria Fumaça está de volta em funcionamento!

vagao-vagoes-carga-museu-funicular-Paranapiacaba

Vagões de carga e ao fundo, à direita, o Museu Funicular.

São duas viagens curtas por dia, da estação à casa do Museu Funicular. Pouco mais de dois quilômetros ida e volta feitos à moda antiga.

maria-fumaca-Paranapiacaba

Locomotiva “Maria Fumaça” em atividade em Paranapiacaba

Museu do Castelinho
Museu da memória de Paranapiacaba, que guarda fotos, peças de trens, documentos históricos, mapas da região e dos tempos desde a construção da vila.

museu-castelinho-Paranapiacaba

Museu Castelinho.

Mirante da via férrea
Ao lado do estacionamento e do ponto final do ônibus que liga o trem em Rio Grande da Serra a Paranapiacaba, o visitante poderá  subir num pequeno mirante de pouco mais de quatro metros de altura e ver as linhas de trem de carga seguindo pela encosta do morro. Cuidado em dias de chuva. A madeira fica molhada e escorregadia. E em Paranapiacaba chove muito.

mirante-Paranapiacaba

O mirante na entrada de Paranapiacaba. Vista para a serra, o mar e as linhas de trem de carga.

A Neblina
Nem sempre o clima é ensolarado. Em uma de minhas visitas, um morador disse que os locais chegavam a ficar seis meses do ano sem ver o sol. O microclima da região é úmido e as nuvens ficam presas entre os morros. O ar frio do mar se condensa e forma nuvens e neblina, dando um tom ainda mais europeu a Paranapiacaba. Imagine agora o relógio inglês envolto em névoa. Bem londrino, certo?

ponte-nevoa-neblina-Paranapiacaba

Ponte ligando o lado alto ao lado baixo de Paranapiacaba. Tem dias que não dá pra ver o outro lado da passarela por causa da neblina.

Clube União Lira Serrano
Ponto de encontro da alta sociedade de Paranapiacaba. Ou seja, todos lá são muito bem vindos. O local abriga festas, bailes, exposições e é o centro de eventos como o Carnaval e o Festival de Inverno, que ocorre em julho, com shows, comidas, espetáculos de teatro de rua e eventos.

Apito do Trem
Não se engane. A Maria Fumaça de Paranapiacaba apita só quando vai sair e chegar. Se você ouvir apitos durante todo o dia, é o trem que passeia pela cidade com os visitantes, mas é um veículo adaptado.

carro-trem-Paranapiacaba

Este trem apita o dia todo, mas é falso.

Comida e bebida
O artista Francisco de Oliveira montou um charmoso café na cidade, na rua Forde, perto do hospital de Paranapiacaba e logo após o Clube, no lado baixo.

cafe-Paranapiacaba

Café e atelier próximo ao Clube.

Bares e restaurantes pequenos e rústicos logo após a passarela sobre a linha de trem. Há algumas lanchonetes ao lado da estação, para quem quer um cafezinho feito na hora.

casas-sobrados-Paranapiacaba

Os sobrados do lado alto, beirando os trilhos. Em dia de sol a cor aparece muito mais. 

Trilhas
Quando estivemos lá, achei melhor não levar a Karina para fazer as trilhas. Ela precisa cuidar de um pé e do joelho. Seria judiar muito da minha garota. Mas vale bem a pena o passeio. Chegue cedo para aproveitar bem o percurso.

Tem a trilha ao lado do trem, que sai bem ao lado do mirante e vai até o litoral.

trilhas-Paranapiacaba

Além das trilhas, há o parque, área de proteção ambiental.

Também tem as duas trilhas da estrada. Você desce do ônibus antes de chegar a Paranapiacaba e segue pelo meio do mato até Cubatão. Pergunte ao motorista. Ele sabe.

Algumas trilhas são turísticas e feitas com guias que você contrata na cidade mesmo, no Museu do Castelinho ou no Clube União Lira Serrano. Em outras visitas, fiz as trilhas do Parque Ecológico de Paranapiacaba, do Poço das Moças e da Cachoeira. Se você chegar depois de nove da manhã, verá um monte de idosos japoneses voltando do mesmo passeio que você ainda está começando. Eles são mesmo cheios de fôlego!

lado-alto-Paranapiacaba

Vista do lado alto de Paranapiacaba. A igreja, as casas mais recentes e a passarela para o lado baixo.

Trem Fantasma
Adoro ver este velho esqueleto de trem toda vez que visito Paranapiacaba.
O que restou do ferro de uma locomotiva e um vagão estão lá par ao tempo apagar aos poucos, enchendo de plantas rasteiras e ferrugem, dando um aspecto vivo a um monte de engrenagens. Vi muitos casais fazendo fotos para álbuns de casamento aqui.

História, estórias de fantasmas, bicas de água da serra, cachoeiras, pousadas e pequenas represas. Há muito o que ver e conhecer em Paranapiacaba. Leve uma blusa para a namorada. O clima em Paranapiacaba muda rápido.

trem-fantasma-Paranapiacaba

O trem fantasma de Paranapiacaba.


Dicas de Viagem:

  • Cachaça ou licor de cambuci? Visite o Moretti – Rua Antônio Thomaz, 03.
  • Para tomar um cappuccino ou chocolate quente em Paranapiacaba, vá ao Kiko de Oliveira – Av. Forde, 421 – https://www.facebook.com/KikoDeOliveiraArtistaPlastico.
  • Como chegar em Paranapiacaba:

De trem – Pegue a linha 10 Turquesa da CPTM. Se estiver em São Paulo, as estações Brás, Mooca e Tamanduateí do trem são do mesmo ramal. Desça em Ribeirão Pires e pegue um ônibus a um quarteirão da estação de trem.

De carro – Via Anchieta, até o Km 29, em Riacho Grande, depois siga pela Caminhos do Mar até o km 33. Entre na Rodovia Índio Tibiriça até o Km 45 e entre à esquerda. Vire à direita no trevo indo para Rio Grande da Serra pela Rodovia Dep. Adib Chamas – SP 122. Você chegará pelo lado alto de Paranapiacaba.

mapa-Paranapiacaba

Olha Paranapiacaba ali embaixo, no cantinho direito.

 

Anúncios