Parques de Curitiba

Quanto mais visitamos Curitiba, mais queremos ver. A capital do Paraná tem muitos monumentos, centro histórico preservado, comércio, povo maravilhoso e acolhedor e muita área verde. Venha com a gente fazer um passeio pelos Parques de Curitiba.

vista-de-Curitiba

Curitiba é uma cidade privilegiada. Muitas áreas verdes. Aqui a Karina fotografou a vista da cidade no Bosque Alemão.

Há muitos parques em Curitiba. Vários ficarão para uma próxima visita. Mas os que pudemos visitar, vamos contar neste post.

Parque Tanguá

A data de inauguração do Parque Tanguá é 1996, e sua área é de 235 mil m². Em sua estrutura, o visitante encontra o  mirante, ciclovia, pista de cooper, chafarizes e um espelho d’água e lanchonete.

O Parque Tanguá fica no bairro do Pilarzinho. Dá para chegar de ônibus comum, desde que você tenha o cartão. O ônibus turístico também deixa você lá. A entrada é gratuita.

entrada-tangua-curitiba

Logo que chegamos, esta foi a vista que tivemos do Parque Tanguá. tem que visitar!

entrada-parque-tangua-curitiba

Entrada do Parque Tanguá vista do Mirante.

Novamente fiquei de boca aberta por causa do que vi. E depois que a Karina parou de rir da minha cara de bobo, veio o puxão de orelha. O famoso “Eu te disse, eu te disse!”

espelho-dagua-parque-tangua-curitiba

O Espelho d’água, que em dias normais, faz uma cachoeira para a outra parte do parque.

O Parque Tanguá fica numa zona residencial de Curitiba, região com casas grandes, afastado do Centro de Curitiba. Pudemos sentir a diferença de temperatura no local.

Apesar de ser um pouco tarde, ainda pudemos ver as maravilhas do Parque Tanguá e claro, recomendamos a todos que visitem o local. De preferência, de manhã cedo. Há muito o que ver e fazer por lá, especialmente no mirante do parque, que serve cafés, comidas e no inverno, vinho quente. Que estava bom mesmo! Forte e cheio de gengibre, cravo, canela… Ah, vá la provar!

mirante-parque-tangua-curitiba

Mirante do Parque Tanguá.

Nossa dificuldade se deu na hora de voltar. Novamente, ou pegávamos o ônibus turístico ou o normal. E para pegar o normal, precisava de cartão.

vista-do-mirante-parque-tangua-curitiba

Esta é a parte mais baixa do Parque Tanguá.

Sem pudores, sensibilizei todo mundo na fila conversando sobre essa falha no transporte público de Curitiba e quando o ônibus comum chegou, uma gentil moça se ofereceu para pagar nossa passagem com o cartão e pagamos a ela em dinheiro. Não tivemos problemas que os moradores de Curitiba não fossem capazes de solucionar. Amei essa cidade!

vista-parque-tangua-curitiba

Há muito espaço para caminhadas e corrida.

Só tenho coisas boas a dizer sobre o Parque Tanguá. E a Karina tem ainda mais coisas boas para dizer.

Em uma visita que ela fez, chegou mais cedo e pôde descer até a parte mais baixa do parque, que você deve ter visto nas fotos anteriores.

lago-mirante-tangua-curitiba

A vista contrária do Mirante do Parque Tanguá.

Quando estivemos juntos no Parque Tanguá, a queda d’água não estava funcionando. Na ocasião em que a Karina esteve, ela viu o tamanho da queda d’água, desceu para ver melhor, passou por debaixo dessa queda e ainda atravessou a rocha que forma um imenso paredão.

tangua-queda-dagua-mirante-curitiba

Há um caminho seguindo pelas rochas. Vê os holofotes? Deve ficar bonito à noite.

Toda essa estrutura rochosa do Parque Tanguá se deve ao local ter sido um antigo complexo de pedreiras, hoje desativadas. Olha a reciclagem de lugares e ideias de novo!

O Parque Tanguá preserva áreas verdes próximas à nascente do Rio Barigui e entre as espécies de árvores da região, estão as características araucárias, tão conhecidas e relacionadas ao sul do Brasil.

tangua-tunel-curitiba

Siga pelo deck de madeira até o túnel.

tunel-lago-tangua-curitiba

Tem medo do escuro? Medo de se afogar? Que tal atravessar este túnel sobre madeira, em cima de um lago?

Bosque Alemão

Também inaugurado em 1996 – deve haver algo de especial neste ano – o Bosque Alemão tem muitas atrações divertidas além da área verde, como a fauna e a Trilha de João e Maria, da história das duas crianças que se perdem na floresta e acabam presas por uma bruxa.

azulejo-bruxa-curitiba

Painel de azulejos retratando a história de João e Maria. E a bruxa, claro!

O Bosque Alemão está em um fundo de vale, com 38.000m2, numa área chamada Jardim Schaffer, nome de uma família alemã do século 19, que deu nome ao bairro e proprietária de uma leiteria famosa na região. O Bosque Alemão tem suas atrações temáticas ligadas à cultura germânica, sendo homenagem de Curitiba aos imigrantes que se estabeleceram a partir de 1833.

azulejo-casa-dos-contos

Com esta placa entendemos que há um motivo para a história dos Irmãos Grimm.

Mas as atrações são várias. Outro ponto chamativo é o Oratório de Bach, que é uma réplica de uma igreja presbiteriana. O local tem sala de concertos, como não poderia faltar, já que falamos do grande músico e compositor alemão. É também o posto da guarda municipal e conta ainda com lanchonete.

Oratorio-de-Bach

Oratório de Bach – Reprodução de uma igreja presbiteriana.

Do Oratório de Bach o visitante verá também a Torre dos Filósofos, com 15 metros de altura, feita com troncos de eucalipto.

torre-dos-filosofos

A Torre dos filósofos. A imigração alemã em Curitiba é de 1833.

A atração seguinte é, descendo da torre, seguir para o Caminho dos Contos, que é uma trilha (segura) no interior do Bosque Alemão que leva a uma biblioteca, chamada de Casa da Bruxa ou Casa dos Contos, por retratar a história dos Irmãos Grimm sobre Hänsel und GretelJoão e Maria, para nós. Um esforço para desenvolver nas crianças o gosto por leitura.

fachada-casa-dos-contos

Casa dos Contos ou Casa da Bruxa.

E pouco antes de sair do Bosque Alemão, o visitante verá o frontão da Casa Milla, estrutura que representa a arquitetura alemã da época, de um palacete que teve sua varanda aproveitada para criar esta peça.

casa-milla

Casa Milla – A original ficava na rua Barão do Serro Azul.

Memorial Ucraniano

Localizado no Parque Tingüi (não confundir com Parque Tanguá, são dois parques diferentes) o Memorial Ucraniano foi inaugurado em 1995 para comemorar o centenário da imigração ucraniana a Curitiba. É local de eventos típicos e religiosos e as edificações em madeira foram construídas seguindo o estilo dos imigrantes. No local o visitante verá o portão, uma casa típica ucraniana e ao fundo, a Igreja de São Miguel Arcanjo, construída no final do século 19 pela comunidade ucraniana do município de Mallet, interior do Paraná.

memorial-ucraniano-curitiba

Memorial Ucraniano – A diferença do estilo ucraniano de construir está em encaixar as peças de madeira, principal material das construções na época.

Saindo de Curitiba

Na manhã seguinte, saímos muito cedo de Curitiba. Nosso trajeto era visitar outras cidades do Paraná, voltar a Curitiba, passar mais um dia e seguir viagem. Acordamos bem cedinho e saímos antes do sol nascer. Foi quando chegamos à Rodoferroviária que algo magnífico aconteceu. Esperando a saída do ônibus para seguir viagem, o céu se abre após uma noite de chuva e nos presenteia com um nascer do sol tão intenso e radiante que seria impossível deixar de fotografar.

nascer-do-sol-Curitiba

Nossa despedida de Curitiba se deu com um show de luzes e cores ao Nascer do Sol.


Dicas de Viagem:

Para chegar ao Parque Tanguá, descer no Terminal Cabral e seguir pela Av. João Gava, passar o Ópera de Arame e seguir pela Rua Hermínio Flor.

Anúncios