Lições do Pequeno Príncipe para os viajantes

Esses dias eu carreguei o Fabiano para assistir ao novo filme do Pequeno Príncipe e tal qual ao livro, essa história sempre tem algo novo a ensinar.

Quem pensa que o Pequeno Príncipe é um mero livro infantil ou simplesmente meloso, não entendeu nada. Essa história é tão complexa, tão cheia de críticas e metáforas que apenas adultos poderiam entender.

No fundo, Antoine de Saint Exupery fazia críticas sobre a loucura do mundo adulto: falta de tempo, ganância, vícios, prepotência, vaidade… O principal é que ele continua muito atual. E talvez por isso ele seja considerado um dos clássicos da literatura.

O Pequeno Príncipe usava um meio de transporte pouco tradicional para viajar

O Pequeno Príncipe usava um meio de transporte pouco tradicional para viajar.

O filme, uma abordagem nova sobre a história nos mostra bem isso. E explora, principalmente, como suprimimos nossas vontades. Fazemos sempre o que esperam de nós, e deixamos de lado o que queremos. Deixamos sempre para o futuro  – “quando eu me aposentar”, “depois que eu juntar dinheiro”, “depois que meus filhos estiverem maiores”  – tudo aquilo que queríamos ter feito hoje.

Vendo o filme dessa vez (esse não é o primeiro filme do livro, lembro-me de pelo menos duas versões anteriores do Pequeno Príncipe, uma animação e outra com atores de verdade) me peguei refletindo sobre o que ele tem para ensinar sobre viagem – e sobre a vida, já que não sei mais separar uma coisa da outra. Como eu disse, o filme e o livro trazem sempre alguma coisa nova para pensarmos, depende do momento em que estamos.

Fiz uma pequena lista:

  1. Viagens não servem para esquecer dos problemas.

Não pense que ir pra longe vai fazer tudo se resolver, ainda mais se os problemas estiverem dentro de você. O que viajar faz é dar a oportunidade de você se conhecer melhor, mudar sua forma de agir e desconstruir preconceitos. Ou seja, viajar não vai resolver seus problemas, mas pode te dar uma nova perspectiva sobre as coisas. Se afastar um pouco pode ajudar a ver as coisas por um novo ângulo, mas nunca é fugindo que se resolve as coisas.

  1. O caminho é tão importante quanto o destino.

O caminho faz parte da viagem, e ele é tão importante quanto chegar ao destino. Muitas vezes, aprendemos mais sobre as pessoas, os lugares e sobre nós mesmos durante o caminho. E ele pode ser tão prazeroso e às vezes até mais divertido do que o destino. Numa viagem, e especialmente na vida, não podemos esperar o chegar no destino para sermos felizes. Em outras palavras, não podemor esperar o momento perfeito, a situação perfeita, para sermos felizes.

"Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos"

“Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”

  1. “O essencial é invisível aos olhos”.

Tem gente que acha que viajar é para fazer compras. Mas quando você experimenta a viagem, você leva muito mais coisas. Coisas que você vai levar para a vida inteira e pelas quais não vão te cobrar excesso de bagagem. São os amigos que a gente faz, os sentimentos que experimentamos quando conhecemos um lugar novo ou quando revisitamos um lugar conhecido. É a mudança que isso causa na gente. É o que levamos para o nosso dia-a-dia. Lembrancinhas e fotografias servem para reavivar essas memórias, mas sem a experiência, elas não fazem sentido.

  1. Nunca perca a criança que existe dentro de você.

Crianças são curiosas, cheias de energia e não têm vergonha de aproveitar as coisas da melhor maneira possível. Quando for viajar, seja assim também. Conheça o lugar para onde vai, a cultura, as atrações, os pontos turísticos, mas se puder, também como as pessoas do lugar vivem. Faça o máximo de coisas que puder – e isso não significa não descansar nas suas férias. Eu nunca diria isso. Visite lugares diferentes, converse com as pessoas, peça dicas para as pessoas locais. E o mais importante: Não tenha vergonha de se divertir só porque você já está grande demais para isso. A idade cronológica nós não controlamos, mas a velhice é um estado de espírito.

Não seja um adulto chato!

Não seja um adulto chato!

  1. Nunca deixe de sonhar.

Isso é muito mais para a vida, mas bom, vale para não perder o sonho de conhecer um lugar ou de fazer uma viagem que você queira. Não importa a sua idade e nem quanto tempo leve, se é seu sonho, faça o que puder para realizar! Viajar está cada vez mais barato. Tem descontos, promoções, parcelamento em muitas vezes, hospedagens de graça ou super em conta.

Se você nunca leu o livro, recomendo fortemente. Mas leia sem preconceitos e acreditando em mim, o Pequeno Príncipe não é um livro para crianças. É um livro para adultos, para nos lembrar de que já fomos crianças e nos mostrar que o mundo pode ser melhor se a gente olhar para ele com a inocência e a empatia das crianças.

 

Para saber um pouco mais da história e para coisas fofas: http://www.opequenoprincipe.com/

Anúncios