Bento Gonçalves

Fomos conhecer a “Capital Brasileira do Vinho”. Bento Gonçalves é uma cidade de imigrantes, de batalhas sangrentas, de história, igrejas, linhas de trem e muito vinho. Vem conhecer mais de Bento Gonçalves com a gente!

O Pórtico de entrada de Bento Gonçalves. Sugestivo formato de barril de vinho.

O Pórtico de entrada de Bento Gonçalves. Sugestivo formato de barril de vinho.

Assim como Gramado, a cidade de Bento Gonçalves é próspera e cheia de atrações. Está também na região serrana do Rio Grande do Sul. Já se chamou Cruzinha e Colônia de Dona Isabel. Já pertenceu ao distrito de Montenegro e agora é um dos 10 maiores centros econômicos do Rio Grande do Sul, forte na indústria moveleira e em vinícolas.

O visitante verá poucas referências sobre a indústria de móveis. Mas verá muito, muito sobre vinhos e vinícolas. A começar pela entrada principal de Bento Gonçalves, onde está o Centro de Apoio ao Turista – CAT, bem próximo da estação de trem, e com este pórtico em concreto com formato bem sugestivo.

Centro de Apoio ao Turista – CAT – Ao lado da entrada principal de Bento Gonçalves.

Centro de Apoio ao Turista – CAT – Ao lado da entrada principal de Bento Gonçalves.

A cidade tem sotaque. Um pouco da Alemanha, outro pouco da Itália. De lá vieram os imigrantes que acabaram por se tornar o que hoje é a cidade. Antes, a região era de índios Caigangues, que foram expulsos de suas terras pelos “bugreiros”.

A cidade passou a se chamar Bento Gonçalves em 1890, homenageando o presidente da República Rio-Grandense, farroupillho, Bento Gonçalves da Silva.

O trem de Bento Gonçalves

Os caminhos de Bento Gonçalves começam nas vias férreas. Antes de chegar ao centro da cidade, passamos por vias suspensas e vimos como os trilhos fazem parte do visual.

 

As casas em volta da via férrea são igualmente antigas.

As casas em volta da via férrea são igualmente antigas.

 

Esta é a passagem alta vista pela parte de cima.

Esta é a passagem alta vista pela parte de cima.

 

Uma verdadeira locomotiva. O dia estava frio. O que só aumenta o charme da visita.

Uma verdadeira locomotiva. O dia estava frio. O que só aumenta o charme da visita.

É possível conhecer Bento Gonçalves de várias maneiras. De carro, de ônibus saindo da rodoviária de Porto Alegre e de trem. E era o trem que levava pessoas, cargas, bens, para um lado e para outro no T. Vendo as infinitas paisagens do Sul, acabo lembrando como os trens foram importantes. E como ajudariam a economia ainda hoje se tivéssemos uma via férrea que funcionasse.

Apenas para exposição, mas o cuidado com a conservação é impecável.

Apenas para exposição, mas o cuidado com a conservação é impecável.

Tanto que depois da rodoviária de Bento Gonçalves, vimos vários lugares com trilhos, casas antigas, vagões, passagens altas, passagens baixas, e até a estação de trem de Bento Gonçalves, bem conservada e hoje ponto turístico.

E toda boa estação de trem precisa de uma locomotiva. E aqui estamos, na locomotiva da estação de trem de Bento Gonçalves.

A estação de Bento Gonçalves. Parece pequena, mas tem loja, recebe visitantes e tem passeios de trem.

A estação de Bento Gonçalves. Parece pequena, mas tem loja, recebe visitantes e tem passeios de trem.

No local, além da locomotiva, lindamente conservada e exposta para quem quiser, ver, tocar, fotografar (eu, eu!!) e brincar de maquinista, os trilhos bem conservados, com cancelas, passagens, entroncamentos, a estação muito bem cuidada, limpa, como é do bom costume nas cidades do Rio Grande do Sul (chique é ser limpinho), vimos muitos vagões em exposição. A maioria fora dos trilhos principais, em boa conservação, fora de uso, mas com todos os detalhes visíveis, aparentes, para um pesquisador ou alguém como eu olhar bem, entender como eram os detalhes, as peças, as cores. E fora o romantismo de uma estação de trem.

Duas antiguidades na estação de trem de Bento Gonçalves.

Duas antiguidades na estação de trem de Bento Gonçalves.

Na estação de trem de Bento Gonçalves o visitante poderá ver um vagão restaurante e um vagão de passageiros, com cortinas, feitos de madeira, perfeito para fotografias. Também há o espaço para alugar roupas de época, lojinha de lembrancinhas, vinhos e comidas.

E encontramos também um ninho de Quero-quero, como é conhecido aqui em São Paulo. Em outras regiões, chamam de Guira-guira e Guira Acangatará, como é o original do dialeto Tupi.

O ninho do Quero-quero. Mamãe chocando os ovinhos e papai voando sobre nossas cabeças, gritando e tentando nos assustar.

O ninho do Quero-quero. Mamãe chocando os ovinhos e papai voando sobre nossas cabeças, gritando e tentando nos assustar.

Os passeios de trem precisam ser agendados. Tem os horários certos às quartas-feiras e aos sábados.

E já da estação era possível nossa próxima parada. Não, não é a Casa Valduga, conhecida vinícola da região. É a Igreja Gótica.

Igreja Matriz de Bento Gonçalves, em estilo neogótico.

Igreja Matriz de Bento Gonçalves, em estilo neogótico.

Igreja Gótica

Já da estação de Bento Gonçalves Bem perto da estação de trem, o visitante verá a Igreja Matriz Cristo Rei. Seu estilo é o gótico moderno. Chama muito a atenção pela arquitetura. A igreja é de 1954.

A praça em frente é chamada de Praça das Rosas. O motivo é bem simples de entender. Todo o espaço ao redor da igreja é um grande jardim de rosas coloridas. E que visitar pode parar uns minutos para ver as casinhas mais antigas e bem conservadas da cidade, com seus estilos variados, umas com cara de começo do século 20, outras mais modernas, mais para os anos 1960.

Igreja Matriz Cristo Rei

Igreja Matriz Cristo Rei. Em estilo gótico, com alterações mais modernas.

Como era sábado de manhã, não entramos para conhecer. Estava fechada. Mas os católicos principalmente deverão gostar. Soube que a Igreja Gótica tem tudo que uma boa igreja deve ter. Vitrais coloridos, nave alta, sino. Olhando de fora é bem bonita.

Igreja Matriz Cristo Rei

Vista frontal da Igreja Matriz Cristo Rei.

Via del Vino

Ainda era cedo quando passamos no Centro de Bento Gonçalves, local da Via del Vino. Como grande produtora, a cidade fez bem no centro, ao lado da prefeitura, praças cheias de flores, com ambientação de casas típicas, decoração e prédios históricos, para falar que por ali passa o vinho produzido em Bento Gonçalves.

Ladrilhos em forma de cacho de uvas na Via del Vino.

Ladrilhos em forma de cacho de uvas na Via del Vino.

A prefeitura da cidade está bem no Caminho do Vinho. É chamada de Palácio Municipal, que foi construído em 1902, em estilo neoclássico.

Prefeitura de Bento Gonçalves – O Palácio Municipal.

Prefeitura de Bento Gonçalves – O Palácio Municipal.

As casinhas que o visitante vai encontrar entre as praças floridas da Via del Vino servem como pontos de informação turística e feiras de artesanato acontecem ali em datas comemorativas. A rua é um polo comercial e bancário.

Entre outros bancos, aqui está a sede do Banco da Província do Rio Grande do Sul. Hoje, um centro cultural.

Entre outros bancos, aqui está a sede do Banco da Província do Rio Grande do Sul. Hoje, um centro cultural.

Ainda na Via del Vino está a fonte que jorra vinho, bem no centro da cidade. Quando passamos, estava desativada. Acho que ainda era muito cedo para beber. Mas não é vinho de verdade. É apenas água com corante para parecer vinho.

Mais um centro de apoio ao turista. Este fica na Via del Vino.

Mais um centro de apoio ao turista. Este fica na Via del Vino.

Nosso passeio em Bento Gonçalves ainda está na metade. Vamos visitar uma vinícola no próximo post. Nesta vinícola há uma fonte em que jorra vinho. Espere para ver!

Vista da Via del Vino, avenida central de Bento Gonçalves.

Vista da Via del Vino, avenida central de Bento Gonçalves.

Dicas de Viagem:

Anúncios