Casas do Parlamento

Nossa parada de hoje é o edifício das Casas do Parlamento, também conhecido como Palácio de Westminster. Fácil de encontrar por ter como relógio de parede nada menos que o Big Ben! Saiba mais sobre o centro da política da Inglaterra em nossas viagens por Londres.

parliament-square-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Chegando às Casas do Parlamento.

“Toque uma teia de aranha que seja em Westminster Hall e a velha aranha da lei cai sobre você com todos os vermes dela em seus calcanhares”. Henry Fox, 1705-1774.

Sim, é no Palácio de Westminster que são feitas as leis, e cumpridas com muitos debates, votações brigas internas, tudo com alta classe, às vezes na presença de reis e rainhas e com obras de arte, estátuas e luxo em volta.

salao-vitral-entrada-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Até aqui é permitido fotografar. Esqueça o celular e nem pense em fazer self!

Em nossa visita a Londres, agendamos um sábado para ver as Casas do Parlamento. O edifício é mesmo muito bonito, mas preciso dizer que uma vez dentro, você não poderá fotografar nada, filmar ou gravar. Nem fazer self. Por isso, desculpem, mas não teremos fotos de dentro do prédio. Apenas imagens do lado de fora e do salão de entrada, com lindos vitrais, mármore, escadas e estátuas.

big-ben-parliament-square-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

A vista é muito bonita, especialmente num dia ensolarado.

Foi no Palácio de Westminster que foi anunciado resultado da votação do Brexit. Fato que fez o mundo inteiro parar um minuto, prender a respiração e olhar para Londres com medo e inquietação.

Chegar às Casas do Parlamento é fácil. Pegue o underground. Vá de Tube e não se preocupe com mais nada. Você desce na porta.

flores-big-ben-parliament-square-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Londres pode ser um jardim mesmo no inverno.

Como é comum em atrações turísticas, sempre há um pouco de fila, mas a revista é rápida, nada que incomode. De qualquer modo, evite levar metais.

A primeira parada antes de entrar é um pequeno restaurante ao lado do Palácio de Westminster. Lá você pode encontrar seu político inglês preferido e quem sabe até o primeiro-ministro, que agora é uma mulher. Ela pode mudar o nome para primeira-ministra que ninguém vai dizer que está errado, mas como em inglês nada muda, ela fica sendo a Prime-Minister.

Foi neste restaurante que provei uma deliciosa cerveja de gengibre que marca no rótulo a data de 1801. Claro que eu quis experimentar. Gostei muito do sabor, mas achei algo de diferente. Lembra um pouco um refrigerante, apesar do amargor do gengibre. Acontece que era uma cerveja sem fermentação. Nada de álcool. Mas gostei mesmo assim! Podia ter no Brasil.

ginger beer cerveja de gengibre casas do parlamento a bussola quebrada

Cerveja sem álcool. Mas bem gostosa.

O passo seguinte, ainda antes de entrar no Westminster Hall é a vista de um bonito chafariz com um Leão e um Unicórnio.

Pela tradição, o Leão representa a Inglaterra, o poder do rei, sua força e persona. Já o unicórnio como ser místico, é usado para representar a Escócia. Os dois países foram unificados quando o rei James VI da Escócia subiu ao trono. E foi então chamado de Rei James I para os ingleses.

chafariz-leao-unicornio-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

O chafariz com o Leão e o Unicórnio. Histórias, lendas e até personagens de livro.

Novamente, há rimas e canções sobre o leão e o unicórnio e até Lewis Carroll, escritor de Alice no país das Maravilhas e Alice Através do Espelho usou os elementos como personagens em seu segundo livro.

Vejamos uma canção:

The lion and the unicorn

Were fighting for the crown

The lion beat the unicorn

All around the town.

Some gave them white bread,

And some gave them brown;

Some gave them plum cake

and drummed them out of town.

Rápida tradução:

O Leão e o Unicórnio

Estavam brigando pela coroa

O Leão batia no unicórnio

Pela cidade inteira.

Alguém lhes deu pão branco,

E alguém lhes deu pão integral;

Alguns deram a eles bolo de ameixa

E os expulsaram da cidade.

A vista é a do Rio Tâmisa. O clima nem sempre ajuda. As Casas do Parlamento podem ser sombrias e as histórias sobre fantasmas são comuns. E a arquitetura colabora para isso. Salões imensos, corredores com madeira escura, bustos de estátuas sempre vigiando quem passa e uma enorme estátua de Sir Winston Churchill e mais alguns estadistas em um dos saguões. Não é um lugar para fracos.

ornamento-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Muito espaço interno no Westminster Hall. Quase não há decoração.

Além de Sir Churchill, nomes como Margareth Tatcher e Gordon Brown já passaram por aqui como primeiros-ministros. Atualmente, o cargo pertence a Teresa Mae.

vitral-salao-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Vitral de entrada do Westminster Hall.

O Palácio de Westminster foi construído no século 11, praticamente todo destruído durante um incêndio em 1834, quase foi destruído em 5 de novembro de 1605 por um homem chamado Guy Fawkes, no que ficou conhecido como a Revolução da Pólvora. A intenção era assassinar o rei protestante James I e claro, destruir as Casas do Parlamento.

A data é tão marcante que se tornou feriado na Inglaterra, com direito a fogueiras e fogos. E como os ingleses gostam de cantar, fizeram até uma canção:

“Remember, remember, the 5th of November

The gunpowder, treason and plot;

I know of no reason, why the gunpowder treason

Should ever be forgot.”

Traduzindo:

“Lembrem-se, lembrem-se, o cinco de novembro

A conspiração e a traição da pólvora;

Não conheço nenhuma razão para que a traição de pólvora;

Seja jamais esquecida.”

O fato inspirou o escritor de quadrinhos Alan Moore a escrever a premiada série V de Vingança, adaptada para o cinema nos anos 2000.

Mas, falando apenas na realidade, a parte das Casas do Parlamento a permanecer após o incêndio foi a Westminster Hall, com suas escadarias e vitrais.

coluna-anjo-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Anjos carregando as tábuas da lei esculpidos em vigas de madeira no teto do Westminster Hall.

Toda a entrada de políticos e visitantes é feita por esta entrada, e em seguida todos seguem para as escadarias ao fim do salão e de lá para as salas de trabalho e para o tour.

Uma das paradas mais aguardadas no tour de visitantes é a Câmara dos Comuns, onde acontecem as principais votações. The Commons Chamber é o nome original. É lá que está a Cadeira do Orador, a Speaker’s Chair e o trono da Rainha Elizabeth. Ela acompanha as votações, ocasionalmente. Assim como o povo pode acompanhar o que acontece na Câmara dos Comuns em uma galeria mais alta.

vitral-entrada-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Escadaria de entrada para o prédio das Casas do Parlamento. Consegue ver o Leão e o Unicórnio no vitral?

Fato curioso, a Inglaterra tem duas Câmaras políticas. Algo como nosso senado e nossa Câmara dos Deputados. Lá existe a Câmara dos Comuns, e a Câmara dos Lordes. A segunda vem perdendo pouco a pouco seu poder e representatividade e apesar de ainda decidir muitas votações, o sangue azul vem tendo cada vez menos importância nas decisões do Império, que na verdade funciona como uma República.

Mas há quem diga que as verdadeiras decisões e alianças são realmente tomadas no Central Lobby. Um grande saguão do lado de fora da Câmara dos Comuns. Algo como hora do intervalo, em que se formar as rodinhas e as alianças são forjadas.

vitral-fundos-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

Veja o detalhe neste vitral da entrada.

As histórias envolvendo as Casas do Parlamento são muitas. E a maioria delas gira em torno de Winston Churchill.

Uma das mais famosas foi durante uma votação na Câmara dos Comuns, em que Nancy Astor e Winston Churchill discutiam. Em dado momento, cansada da teimosia e palavras rudes do Churchill, Nancy Astor, num ataque de nervosismo disse:

– Winston, se você fosse meu marido, eu colocaria veneno no seu chá!

Ao que Sir Churchill respondeu imediatamente:

– Senhora, se eu fosse seu marido, eu tomaria!

Mas não podemos ser duros com Nancy Astor. Ela foi a primeira mulher eleita para a Câmara dos comuns, enfrentando os homens mais truculentos de sua época. Sobre ela, há também uma frase muito boa sobre as desigualdades entre homens e mulheres:

“A propósito, gostaria de lembrar que a primeira vez que Adão teve a oportunidade, colocou a culpa numa mulher. ” – Nancy Astor.

vitral-entrada-escadaria-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

E daqui seguimos para o tour pelas Casas do Parlamento.

Nossa visita foi guiada. Seguimos pelos corredores cheios de quadros, estátuas, histórias de combates, embates e votações, e claro, outras tantas histórias conspirações, torturas, o incêndio do século 17 que destruiu a antiga Londres e junto com ela a maior parte do Palácio de Westminster e a reconstrução da cidade. Vida que segue!

Nossa saída se deu de volta para o Big Ben e a Parliament Square. E de tão bonita que a praça é, fica fácil notar que é palco para várias atividades, inclusive, olha a noiva fazendo seu book para o casamento:

noiva-parliament-square-casas-do-parlamento-a-bussola-quebrada

A Parliament Square: Bandeiras de vários países e a noiva toda de branco com o Big Ben ao fundo.

 


 Dicas de Viagem:
Aqui você vai ao site das Casas do Parlamentohttp://www.parliament.uk/ – e aqui você agenda sua visita – http://www.parliament.uk/visiting/

E aqui, um pouco da história das Casas do Parlamento http://www.history.co.uk/study-topics/history-of-london/houses-of-parliament

Para saber mais sobre as Casas do Parlamento, veja aqui – https://pt.wikipedia.org/wiki/Pal%C3%A1cio_de_Westminster

Leia um pouco mais sobre o Leão e o Unicórnio – https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Le%C3%A3o_e_o_Unic%C3%B3rnio

 

Anúncios