Novas regras para sua bagagem

Essa semana entram em vigor as novas regras do transporte aéreo e as companhias aéreas já anunciaram quais serão as mudanças imediatas que vão adotar.

Assim que a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil autorizou as mudanças, no ano passado, nós divulgamos aqui em A Bússola Quebrada. Agora as companhias aéreas anunciaram como vão lidar com essas mudanças que entram em vigor, progressivamente, a partir de amanhã, terça-feira, 14 de março.

No seu conjunto, as novas regras estipulam direitos dos consumidores e deveres das companhias aéreas desde o momento da compra da passagem, e tentam inibir taxas abusivas.


Mudanças nas regras do transporte aéreo


As mudanças que pretendem diminuir os preços das passagens estão relacionadas com as bagagens, em especial, a que permite que as operadoras cobrem pelas bagagens despachadas.

Veja as mudanças para as bagagens e as principais diferenças entre as companhias aéreas.

As principais mudanças com as bagagens

O limite de peso das bagagens de mão e despachada mudou. As bagagens de mão passam a ser de 5kg para 10kg, já as bagagens despachadas nos voos internacionais passam de 32kg para 23kg, igual aos voos domésticos. Todas as companhias aéreas devem seguir essa nova regulamentação.

As restrições do que pode levar na bagagem de mão e o tamanho (altura+largura+comprimento = 115 cm) continuam os mesmos. (Foto: G1)

Outra questão importante nas novas mudanças que têm relação com as bagagens é que as companhias aéreas podem passar a cobrar por volume despachado. Ou seja, você não terá mais direito a despachar bagagem, e se precisar terá que pagar o serviço à parte.

Essa é a medida mais polêmica do pacote de regras aprovado no ano passado. A ANAC afirma que essa medida garantirá que os preços das passagens caiam, já que essa taxa já estaria embutida no valor das passagens, inclusive daquelas que não despacham. Por outro lado, para clientes que precisem despachar bagagem, a diminuição pode não ser notada.

Campanha da ANAC e do Ministério dos Transportes.

Apesar da propaganda, a ANAC argumenta que os passageiros só pagarão o quanto usarem de bagagem despachada, isso só parece valer para excesso de bagagem. Passageiros das categorias tarifárias sem direito a bagagem despachada vão pagar um preço fixo por volume (ou seja, bagagem) até 23Kg. E nos outros casos, o valor da bagagem despachada continuará embutida no valor da passagem como era antes.

Cada companhia é livre para oferecer vantagens em número de bagagens e peso de bagagens despachadas para clientes que participam de seus programas de fidelidade. Ao menos foi o que apareceu na divulgação das empresas.

Diferenças entre as operadoras

Enquanto o volume das bagagens vale para todas as companhias e agora segue as regras internacionais, os valores cobrados pelas passagens e pela bagagem extra, entre outras tarifas, variam de acordo com a companhia aérea.

Azul

A Azul vai criar uma nova categoria tarifária nos voos nacionais, a Azul, que vai ser implantada progressivamente nas rotas nacionais. Esta tarifa, que não dará direito a bagagem despachada, deve ser mais barata do que a tarifa tradicional.

A Azul vai ter tarifa mais barata para quem não despachar.

Os clientes dessa nova modalidade que quiserem despachar, poderão solicitar esse serviço a qualquer momento por R$ 30,00.

A política de excesso de bagagem dos voos internacionais foi alterada e está mais barata. Nos voos para a América Latina, cada volume extra custará U$ 50,00. E para outros destinos internacionais, o valor do volume extra será U$ 100,00.

LATAM

A LATAM por enquanto não fará alterações nos preços das tarifas, apenas no limite do peso e da quantidade de bagagem despachada. Os voos nacionais e para destinos na América Latina terão direito a uma bagagem despachada e os voos internacionais continuarão com direito a duas bagagens, mas no limite novo de 23Kg.

Nas classe superiores, a LATAM garante mais bagagens.

Também teve mudanças na cobrança de excesso de bagagem. Agora a cobrança será por quilo. Nos voos nacionais, equivalerá a 0,5% da tarifa-base do dia; Nos voos para América Latina, 1,0% ou valor fixo de acordo com a política do país de destino; e para os outros destinos vai depender apenas da política do país de destino.

Gol

A Gol também vai criar uma tarifa nova, a Light. Nessa tarifa o valor será menor, já que não dará direito a bagagem despachada. Resta saber se a Gol vai manter a tarifa promocional para passagens com direito a bagagem despachada.

Tarifas da Gol para cada volume extra despachado.

Quem quiser despachar bagagem além das oferecidas na sua tarifa, poderá contratar à parte, na compra online ou no check-in, sendo que esta última opção será o dobro do valor.

O valor do excesso de bagagem será reduzido, e cada quilo custará R$ 12,00 nos voos domésticos e U$ 4,00 nos voos internacionais.

Avianca

A Avianca não vai fazer nenhuma mudança tarifária, apenas vai seguir a regulamentação de limite de peso para as bagagens de mão e despachadas. O número de bagagem despachada para voos nacionais e internacionais continua a mesma por enquanto.

As tarifas para excesso de bagagem continuam as mesmas também.

[ATUALIZAÇÃO] Na tarde do dia 13/03 a Justiça de São Paulo concedeu uma liminar que suspende as novas regras para bagagem de mão de bagagem despachada. As outras regras do pacote entrarão em vigor a partir do dia 14/03. Veja elas aqui.


Dicas de Viagem:

Site da campanha das novas regras: http://www.transportes.gov.br/aviacaoparatodos/

Anúncios