6 Parques Urbanos incríveis ao redor do mundo

As grandes metrópoles do mundo não se orgulham de seus parques urbanos à toa. Estes espaços conquistam moradores e turistas com elementos como esportes, cultura, história e lindas paisagens que deixam seus hectares prontos para serem desbravados de forma agradável.

Nós já visitamos muitos parques no Brasil. Os parques são atrações turísticas em Curitiba, São Paulo e até no Rio de Janeiro.  Espaços de lazer em Porto Alegre, parques urbanos são a reserva natural bem no meio da cidade, que serve para tomar sol, descansar, se exercitar, visitar obras de arte ou apenas contemplar a natureza. Se forem paisagens famosas em filmes ou tiverem um histórico dramático, com resquícios que ainda possam ser visitados, melhor ainda!

Veja aqui 6 dos mais incríveis parques urbanos no mundo:

Parc du Cinquantenaire, Bruxelas

Considerado ponto turístico obrigatório, o Parc du Cinquentenaire é um dos principais parques urbanos de Bruxelas. É recomendado reservar um dia inteiro no local se desejar ver todas as atrações. Para os moradores da cidade, o parque é um lugar frequente de contemplação, relaxamento, leitura, esporte, passeio, piquenique e diferentes feiras, exposições e festivais no ano. O Cinquantenaire foi criado em 1880 pelo rei Leopoldo II para comemorar os 50 anos de independência da Bélgica e tem como principal marca seus grandiosos arcos, que são a porta de entrada para os 30 hectares de lindos jardins, fontes, esculturas, monumentos e o lago principal.

O parque é sede do Royal Museum of the Armed Forces and of Military History, Cinquantenaire Museum, AutoWorld (carros vintage) e Great Mosque of Brussels, a mais antiga mesquita de Bruxelas, com o prédio original datando de 1880.  Apesar de uma linha do metrô e uma avenida passarem por baixo do terreno, calma e silêncio definem a atmosfera, com bancos posicionados em locais estratégicos para melhor apreciação da paisagem. Nas proximidades, atrações como o Parlamentarium, Palais Royal, Cathédrale des St. Michael and St. Gudula e Leopold Park.

 Bois de Boulogne, Paris

Parte de uma antiga floresta exclusiva para caça de ursos e cervos pela realeza desde o ano 629 do que viria a se tornar a França, o Bois de Boulogne só veio ficar acessível ao público por ordem do Rei Louis XVI no século 18 que, com sua esposa, Rainha Maria Antonieta, utilizavam-no para entretenimento. O Château de Bagatelle, construído para o casal, sobreviveu à Revolução e continua de pé – foi dos arredores do edifício que Santos Dumont decolou com o 14-Bis e, na Villa Windsor, ali próxima, e viveram e morreram os infames Duques de Windsor. O parque oferece mais de trinta e cinco quilômetros de trilhas. Um autêntico paraíso para todos aqueles que queiram desfrutar da natureza.

Os gigantescos 846 hectares oferecem ainda muitas outras opções aos visitantes, como 10 lagos artificiais com patos e cisnes conectados por três canais, sendo que o maior deles tem até uma ilha onde fica o busto de Napoleão III; a Grand Cascade, uma queda d’água pitoresca com duas grutas construídas para visitação; além do Jardin d’Acclimatation, zona recomendada para visitar com crianças, sendo formada por um parque de diversões e uma reserva de animais. Além do Shakespeare Garden, Hippodrome de Longchamp com seu antigo moinho e o famoso Stade Roland Garros. Corridas e passeios de barco, caiaque, bicicleta, cavalo ou pônei, além de piqueniques (fazer fogueira é proibido) e festivais diversos, dão vida ao Bois de Boulogne durante o ano inteiro.

 Hyde Park, Londres

Os mais de 142 hectares que hoje formam o Hyde Park, em Londres, foram privados durante centenas de anos. O terreno originalmente pertencia aos monges da Abadia de Westminster, até que o Rei Henrique VIII o comprou para ser seu local de caça de cervos em 1536. Apenas em 1637, no reino de Charles I, o local foi aberto ao público em geral. E que bom que isso aconteceu! Os londrinos e turistas fazem uso diário do parque aos milhões todos os anos, seja apenas para pegar um sol, escapar um pouco do barulho ao redor, nadar ou passear de barco no lago Serpentine, correr ou jogar tênis e futebol.

Não deixe de visitar a fonte em memória da Princesa Diana ou verificar se alguém está falando algo interessante no Speaker’s Corner, símbolo da liberdade de expressão no Reino Unido desde meados de 1800 – Karl Marx e George Orwell já fizeram discursos ali. Todo inverno é montado o Winter Wonderland, parque de diversões que conta com uma roda gigante de 60 metros de altura, oferecendo lindas vistas da cidade. Nas proximidades, atrações como Kensington Palace, Buckingham Palace, Marble Arch, Royal Albert Hall, Harrods, Natural History Museum, 10 Downing Street, Westminster Abbey e Big Ben, entre centenas de outras.

 Central Park, Nova York

Mundialmente famoso e cenário de centenas de filmes e séries americanas, o Central Park é o primeiro parque público planejado dos Estados Unidos e um dos maiores símbolos de Nova York. Em funcionamento desde a segunda metade do século 19, a ampla área verde corta boa parte de Manhattan e conta com uma extensa lista de atrações que varia de acordo com a estação do ano. Porém, sua história não é muito glamorosa. Com a cidade em expansão e sem espaços verdes para o público fugir um pouco das ruas e prédios, em 1850, cerca de 1,6 mil pessoas que criavam gado na área foram despejadas para a construção e o local ainda sofreu por anos com a falta de fundos para manutenção.

Atualmente com 341 hectares, seu início traumático foi superado e é visitado por 40 milhões de pessoas por ano. Oferece atrações como o Central Park Zoo; Cleopatra’s Needle, obelisco que é o mais antigo monumento da cidade, datado de 1450 a. C.; cascatas do canal The Loch; Sheep Meadow, com nome que faz referência às ovelhas que ali pastavam; Shakespeare Garden, cheio de flores mencionadas nas obras do autor; Conservatory Garden, jardim formal em estilos italiano, francês e inglês; e Wollman Rink, para patinar no inverno e muito popular no Natal.

No total, tem sete lagos, 29 esculturas, 36 pontes e 90 quilômetros de passeios. Nas proximidades ficam o Museum of Natural History, St. Patrick’s Cathedral, Rockefeller Center, Carnegie Hall e Times Square, entre centenas de outras atrações. Não faz sentido ir à Big Apple sem visitar o Central Park!

Bosques de Palermo, Buenos Aires

No dia 11 de novembro de 1875, o então presidente da Argentina, Nicolás Avellañeda, inaugurou o Bosques de Palermo, em Buenos Aires, afirmando que o povo agora poderia passear no seu próprio “Bois de Boulogne, Hyde Park ou Central Park”. Ele não estava brincando. Os mais de 80 hectares que formam o parque contam com atrações como o Monumento de los Españoles, presente da Espanha para marcar o centenário da Revolução de Maio, e o Rosedal, com mais de 18 mil rosas rodeadas por um lago. Passeio imperdível para quem gosta de flores, animais, estátuas e belas paisagens cinematográficas.

No parque também ficam o Museu Eduardo Sívori, Planetário Galileu Galilei, Jardim Japonês, Jardim Botânico, Jardim Zoológico, Hipódromo de Palermo e três lagos artificiais – todos concentrados na maior faixa verde da cidade, formada por vários parques menores. Nas proximidades, atrações como o Mercado de Rua de Palermo; galerias de arte como a Dacil, Milo Lockett e Objeto-A; lojas locais como Lucila Lotti, Dorina Vidoni e Pehache; bares e restaurantes como 878, Bar 6, Acabar e Mundo Bizarro.

 Bosque de Chapultepec, Cidade do México

Segundo maior parque urbano desta lista e o maior da América Latina, o Bosque de Chapultepec compreende uma área de 686 hectares que, na era Pré-Colombiana, servia de retiro a governantes astecas e até hoje é sede do palácio presidencial. Lá fica o Castillo de Chapultepec, bem no topo da colina a 2.325 metros acima do nível do mar, com incríveis interiores que serviram de locação para o filme Romeu + Julieta com Leonardo DiCaprio e Claire Danes. Ali perto, o Zoológico de Chapultepec e seus 5 milhões de visitantes anuais que passam para admirar os quase 2 mil animais. O castelo e o zoológico formam a área mais popular de todo o parque.

No local também ficam o parque de diversões Feria de Chapultepec, Jardín Botânico, Lago de Chapultepec, Museo Nacional de Historia, Casa del Lago Juan José Arreola e Kiosko del Pueblo. As belas fontes incluem las Ranas, Cri Cri, Nezahualcóyotl, los Novios, Ornamental, Quijote, Templanza e Tlaloc, e as principais esculturas no parque são Ahuehuete de Moctezuma, Altar a la Patria, José Martí, Obelisco a Los Niños Héroes, Puerta de los Leones e Tribuna Monumental. É importante planejar a visita com antecedência, pois é impossível conhecer tudo em um dia e decidir na hora pode causar confusão. O parque faz limite com o Paseo de la Reforma, principal boulevard da Cidade do México que oferece acesso a centenas de opções turísticas dentro da cidade.


Matéria enviada por:

Royal Holiday
www.royal-holiday.com/pt/br

Anúncios