JAPAN HOUSE SÃO PAULO – PROGRAMAÇÃO DE AGOSTO

Em 6 de maio deste ano, São Paulo ganhou uma nova casa de cultura, a Japan House São Paulo, na Av. Paulista. Estamos devendo a visita, mas você já pode conferir  programação de agosto e agendar sua visita.

A união de épocas e materiais na fachada da Japan House.

A união de épocas e materiais na fachada da Japan House.

São Paulo, agosto de 2017 – A JAPAN HOUSE São Paulo apresenta mais uma extensa programação de palestras e workshops. Neste mês de agosto, o espaço abrigará uma sessão especial com o designer Kenya Hara para discussão sobre design em papel, workshop com Sofia Kamatani sobre a técnica Furoshiki, além de palestra sobre washi com o artista plástico Kamori (Katsutoshi Mori) e aulas de encadernação com Estela Vilela.

As esculturas espectrais de Kengo Kuma.

As esculturas espectrais de Kengo Kuma.

As atividades têm início no próximo sábado, dia 5, às 11h, com a palestra ‘O visível e o invisível do papel’, em que o artista plástico Kamori apresentará um panorama sobre o processo de produção, diversidade e potencialidades do washi – papel japonês considerado um tesouro nacional do Japão, feito artesanalmente com técnicas tradicionais. Na ocasião, o público poderá ainda manipular o kozo (fibra natural que é matéria-prima do papel) e criações em washi.

Arte e cultura na Japan House.

Arte e cultura na Japan House.

Neste mesmo dia, em duas sessões especiais às 14h e 16h, será a vez de ‘Encadernação fukuro-toji: Kangxi’com Estela Vilela, especialista em encadernação artística e papelaria fina, que terá seu workshop dedicado à técnica de encadernação japonesa mais comum para livros no Japão, o fukuro-toji. Para a atividade, além da aula teórica, cada participante será convidado a criar um modelo de capa flexível, podendo depois levar o caderno de presente. Esta atividade é realizada em parceria com a ABER – Associação Brasileira de Encadernação e Restauro.

Responsável pelas diretrizes gerais para as três JAPAN HOUSE do mundo, Kenya Hara é o curador e diretor de arte da exposição SUBTLE – sutilezas em papel (em cartaz até o dia 10 de setembro), e vem ao Brasil para compartilhar seu conhecimento em ‘Design em papel’, em palestra que abordará também o conceito usado para desenvolvimento da exposição. Dia 16 de agosto, às 19h.

A fachada do Japan House, na Av. Paulista.

A fachada do Japan House, na Av. Paulista.

No dia 18, ‘Furoshiki: a arte milenar de envolver objetos com tecidos’ abordará a história e técnica japonesa de amarração com tecidos quadrados em duas sessões, às 16h e 19h.  Realizadas em parceria com a FUROSHIKI JAPAN HOUSE, as sessões serão comandadas por Sofia Katamani, especialista em embalagem tradicional japonesa. Furoshiki vem de Furo (banho) e Shiki (estender/abrir um tecido) e o uso dele se intensificou no período Edo, em que as pessoas acondicionavam seus pertences em tecidos amarrados com nós, enquanto se banhavam nos Sentôs (banheiros públicos).

Hoje, o uso comum no dia a dia são as amarrações para transporte dos obentôs (marmitas), embalagens, ecobags e para presentear. Seu uso criativo e viés sustentável fazem com que o Furoshiki esteja totalmente inserido em conceitos e atitudes primordiais para o povo japonês, como o Mottanai (de não desperdício) e Omotenashi (espírito de zelo, cuidado e encantamento para com o próximo).

Todos os eventos são gratuitos, acontecem na JAPAN HOUSE São Paulo e tem vagas limitadas, com retirada de ingresso uma hora antes, na recepção. Confira a programação no www.facebook.com/JapanHouseSP/ e  http://www.japanhouse.jp/saopaulo/

 

 

Palestra – ‘O visível e o invisível do papel’ – com Kamori (Katsutoshi Mori)
Quando: 
05 de agosto, sábado

Horário: 11h (1h30 de duração)
Onde: JAPAN HOUSE São Paulo
Endereço: Avenida Paulista, 52
Quanto: Grátis
Mais Informações: Capacidade 60 pessoas – Senhas disponíveis uma hora antes de cada sessão, devem ser retiradas na recepção.

O visível e o invisível do papel. Palestra com Kamori.

O visível e o invisível do papel. Palestra com Kamori.

Workshop ‘Encadernação fukuro-toji: Kangxi’ – com Estela Vilela
Quando: 05 de agosto, sábado
Horário: duas sessões – 14h e 16h (1h30 de duração)
Onde: JAPAN HOUSE São Paulo
Endereço: Avenida Paulista, 52
Quanto: Grátis
Mais Informações: Capacidade 30 pessoas – Senhas disponíveis uma hora antes de cada sessão, devem ser retiradas na recepção.

Palestra ‘Design em papel’ – com Kenya Hara
Quando: 16 de agosto, quarta-feira
Horário: 19h (1h30 de duração)
Onde: JAPAN HOUSE São Paulo
Endereço: Avenida Paulista, 52
Quanto: Grátis
Mais Informações: Capacidade 100 pessoas – Senhas disponíveis uma hora antes de cada sessão, devem ser retiradas na recepção.

Workshop ‘Furoshiki: a arte milenar de envolver objetos com tecidos’ – com Sofia Katamani
Quando: 18 de agosto, sexta-feira
Horário: duas sessões – 16h e 19h (1h30 de duração)
Onde: JAPAN HOUSE São Paulo
Endereço: Avenida Paulista, 52
Quanto: Grátis
Mais Informações: Capacidade 25 pessoas – Senhas disponíveis uma hora antes de cada sessão, devem ser retiradas na recepção.

Design em papel. Palestra com Kenya Hara.

Design em papel. Palestra com Kenya Hara.

 

Sobre a JAPAN HOUSE São Paulo

JAPAN HOUSE São Paulo é uma instituição dedicada a mostrar o melhor do Japão do século 21. Inaugurada em maio, foi a primeira a abrir as portas no mundo. Outras duas unidades serão inauguradas posteriormente, em Londres e Los Angeles. Desde sua abertura, o público brasileiro vem sendo convidado a ter uma experiência genuína e única dos modos de viver do Japão contemporâneo. A JAPAN HOUSE São Paulo promove, em seus três andares, exposições, seminários, workshops e atividades que trazem ao Brasil os mais relevantes criadores e empreendedores japoneses da atualidade nas artes, no design, na moda, na gastronomia, na ciência e na tecnologia.


Sobre Kamori

O Projeto Kamori surgiu quando o artista plástico Kamori (Katsutoshi Mori), atuante no mercado há quase 50 anos, iniciou uma pesquisa de papel artesanal na busca de um suporte ideal para a elaboração de suas obras. A partir da pesquisa de plantas produtoras de fibras para finalidades papeleiras como banana, cana-de-açúcar, sansivieria, taboa, lírio e coco, o artista passou a trabalhar com o kozo (Broussonetia kajinoki), planta nativa do Japão implantada no Brasil. Kamori é considerado o pioneiro em difundir essa técnica milenar japonesa fora do país de origem.

 Sobre Estela Vilela

Estela Vilela é formada em Letras pela USP e em encadernação pelo Liceu de Artes e Ofício, atua na área de encadernação artística e papelaria fina desde 1986. Atualmente é presidente da ABER (Associação Brasileira de Encadernação e restauro), representante brasileira da Association International Les amis de la Reliure d’Art, tendo participado de vários Fóruns e exposições internacionais.

Workshop de Encadernação fukuro toji kangxi - com Estela Vilela.

Workshop de Encadernação fukuro toji kangxi – com Estela Vilela.

 

Sobre Kenya Hara

É designer, representante do Centro de Design japonês e professor da Universidade de Artes de Musashino. Em seu trabalho, aplica um design que visa a mostrar a essência de cada peça. Usa o senso de beleza japonês como fonte de ideias. Com as exposições Redesign, em 2000, e Haptic, em 2004, buscou revelar o design que reside na vida cotidiana. Em 2007 e 2009, abriu a exposição Tokyo Fiber, em Paris, Milão e Tóquio, mostrando possibilidades de linhas e materiais inovadores. Suas exposições Japan Car, de 2009, e House Vision, de 2010, foram voltadas para explorar a plataforma industrial do futuro. Desde 2002, participa da direção de arte da cadeia de lojas Muji. Criou a programação da cerimônia de abertura e encerramento das Olimpíadas de Inverno de Nagano e também fez parte da exposição de Aichi, em 2005, mostrando produções com raízes na cultura japonesa. Foi responsável, entre outros, pelos projetos da livraria Tsutaya Shoten Daikanyama e da Biblioteca Municipal da cidade de Takeo. Em 2015, foi escolhido como produtor-geral da Japan House.

Sobre Sofia Katamani

Sofia Katamani é graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em Desenho Industrial, com mestrado pela mesma universidade em Educação, Arte e História da Cultura. Estudou Embalagem Tradicional Japonesa em Kobe, no Japão. É descendente de japoneses, da segunda geração.

 

Anúncios