Todas as Cores de Embu das Artes

Embu das Artes é uma pequena cidade com uma pequena quantidade de habitantes. Faz parte do circuito de 29 estâncias turísticas do estado de São Paulo e você tem que visitar ao menos uma vez na vida. E nós visitamos Embu das Artes com todo o conforto de uma van e a guia da Mix Aventuras. Vem ver mais!

 

Feirinha de flores e plantas.

Feirinha de flores e plantas.

 

Domingo de sol e fomos rodar a Grande São Paulo. Quem é de fora não entende bem isso de ‘grande’, afinal, cidades grandes são sempre difíceis de conhecer rapidamente. Muitos lugares para ir, muito a conhecer, muta coisa para ver.

 

Decoração e arte em vários formatos.

Decoração e arte em vários formatos.

 

Só para entender, a cidade de São Paulo é grande sim, mas ao redor de uma cidade, existem várias pequenas cidades satélites que formar um conjunto de quase 30 cidades pequenas e médias ao redor do maior polo urbano. Por isso o nome “Grande São Paulo”.

E neste caso, a união faz os números astronômicos. Nesta grande mancha de prédios e casas, temos um número estimado em 18 milhões de habitantes. E a pequena Embu das artes contribui com mais ou menos uns 250 mil habitantes.

 

Barraquinhas de diferentes produtos, organizados em áreas e categorias.

Barraquinhas de diferentes produtos, organizados em áreas e categorias.

 

A cidade tem um forte potencial turístico e comercial, sendo bem servida de restaurantes, lojas de artesanato e decoração, arte, móveis de madeira maciça, produtos regionais que vêm do Brasil inteiro, como queijos, carnes, cachaças, cervejas e decorações.

O Nome Embu das Artes

O nome Embu deriva provavelmente do título “Rio das Cobras”, no dialeto Tupi. Acontece que ‘Mboi’ acabou virando Embu. E com tantos artesãos, a cidade ganhou o sobrenome de “das Artes”. E hoje, se você quiser passar um fim de semana bem divertido, pode ir lá logo cedo no sábado ou fazer uma visita no domingo.

 

Uma arquitetura singular e colorida.

Uma arquitetura singular e colorida.

 

O bacana é encontrar o centro da cidade e descobrir que até o século 19, tudo ali era aldeia indígena. Moravam em Embu das Artes índios Tupiniquins. Se São Paulo era a metrópole de duas ou três igrejas e do Grito do Ipiranga, Embu das Artes era aldeia de fazer arte, móveis e artesanato.

 

Muitos restaurantes, comidas de diferentes regiões e para todos os gostos.

Muitos restaurantes, comidas de diferentes regiões e para todos os gostos.

 

O giro que fizemos começa logo cedo no domingo com a Hirlei, da Mix Avnturas. Fomos visitar a Basílica dos Arautos do Evangelho, com sua arte de decoração e arquitetura gótica, o Templo Budista Zu Lai, e depois o Templo Odsal Ling, cada um com suas características específicas e até visual bem diferente. Tudo isso na cidade de Cotia, também na Grande São Paulo. O passo seguinte é continuar nas pequenas cidades, mas depois de tanto jejum e oração em diferentes templos, de diferentes religiões ou vertentes religiosas, e de pagarmos os pecados na missa, fomos alimentar o corpo e visitar alambiques, tomar cachaça, cerveja, almoçar bem e ainda curtir as gostosuras de Embu das Artes.

 

Miudezas de decoração.

Miudezas de decoração.

Pontos Turísticos de Embu das Artes

Ao chegar em Embu das Artes, a gente já vê a movimentação no Centro Histórico.

Este centro, para variar, está em volta da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário. No mesmo local, está o Museu de Arte Sacra de Embu das Artes e o Centro Cultural Mestre Assis do Embu, famoso artesão e parte da história da de Embu das Artes.

 

A igreja matriz de Nossa Senhora do Rosário.

A igreja matriz de Nossa Senhora do Rosário.

 

Mas o que mais atrai visitantes a Embu das Artes é a quantidade de lojas de vários tipos diferentes. É como se fosse um bairro boêmio que está aberto especialmente aos finais de semana, com bares legais, artistas de rua fazendo performances, música, lojas de tudo o que é coisa e alambiques, restaurantes, lanchonetes, cada um de sua maneira divertida e especial de ser. E as pessoas adoram!

Aí você pensa, mas se vou a um lugar que tem até alambiques históricos e uma variedade enorme de comidas, cervejas especiais, artesanais, e cachaças, não vou poder beber nada por causa da fiscalização? Que graça tem?

 

Feirinha de arte e decorações.

Feirinha de arte e decorações.

 

– Mas é por isso que nós fomos com a Mix Aventuras! E foi bem divertido, sem medo de perder a carteira ou de cometer o crime de machucar alguém. 

E o legal de passear deste jeito, em um grupo de viagens, é que você acaba conhecendo pessoas legais, muito de boa, que querem mais é passear e se divertir um pouco. Você curte o passeio e ninguém te perturba. E olha que conheci um monte de gente legal nesse passeio!

 

Lojas de móveis.

Lojas de móveis.

 

Chegada, almoço, passeio pelas ruas divertidas de Embu das Artes aproveitando um dia de sol forte no meio do inverno. Privilégio para poucos que têm este espírito de viver a vida!

E pelas fotos você já pode imaginar que vimos lojas de tapetes, vasos, arte de todo o tipo, feiras de plantas e flores, música no meio da rua, palhaços e malabaristas, e claro, depois de comer, fomos a algumas dessas lojas. E as preferidas de todos são os armazéns. 

 

Lojas de velas aromáticas e decorações.

Lojas de velas aromáticas e decorações.

 

Passamos por rodas de samba nos bares da ladeira a caminho da Igreja Nossa Senhora do Rosário e paramos em alambiques de cachaças artesanais, licores e bebidas com sabores de frutas. Seguimos para outras lojas, cada um a seu tempo. E chegamos no Alambique atrás da igreja. Mais umas provinhas de pingas, licores e cachaças até que em um local, no meio de queijos e salames, uma vendedora nos mostrou a ilha de pimentas em conserva.

 

Biscoitos, pimentas, licores.

Biscoitos, pimentas, licores.

 

Minha fama é de gostar de pimentas. Entendo-me muito bem com as verdes e as pretas, mas prefiro as vermelhas. Como dedo de moça como quem come salada de tomate. A vendedora disse que a pimenta à minha frente era campeã em ardor e era figura ilustre em Embu das Artes, sendo inclusive catalogada no Guiness Book como recordista em unidades de calor. Fui desafiado a experimentar. 

 

Você pode experimentar as cachaças e licores.

Você pode experimentar as cachaças e licores.

 

Coloco um pingo da tal pimenta na torradinha e como.

Uma colega resolveu entrar na brincadeira e quis experimentar também. Um pingo de pimenta na torradinha, que ela comeu usando a mão esquerda.

– Forte? – Perguntei? – Ao que ela passou a mão no olho e brincando, disse que saiu uma lágrima. Sorriu e saiu de perto de mim.

 

Você pode descobrir cervejas novas.

Você pode descobrir cervejas novas.

 

Enquanto mastigava, comentei com os que estavam à minha volta sobre a verdadeira pimenta mais forte do mundo, a Carolina Reaper, com mais de 450 milhões de unidades de calor. Um pesadelo para os alérgicos. 

– Mas e aí, a pimenta é forte ou não? _ perguntaram-me os colegas de viagem, esperando me ver entregando os pontos.

– É boa. Mas já provei mais fortes. – Respondi. Frustrando a todos que esperavam um momento constrangedor e que me desse por vencido.

 

Alambiques com mais bebidas e pimentas.

Alambiques com mais bebidas e pimentas.

 

Todos se afastam e a colega que experimentou pimenta comigo se aproxima, com um olhar triste, cabeça baixa, jeito solene de falar.

– Passei pimenta no olho. – Disse ela bem ao meu ouvido, em tom confidente, como quem conta a um amigo íntimo como foi o primeiro beijo na boca.

 

Só cuidado com os exageros.

Só cuidado com os exageros.

 

Assustado, convenci o pessoal da loja a liberar o banheiro para que ela pudesse lavar os olhos. Meia hora depois, a piada era que vi neste passeio a Embu das Artes uma das cenas mais refrescantes da minha vida.

Ninguém entendeu de começo, mas logo emendei que pimenta nos olhos dos outros é refresco. 

A piada ruim rendeu muitas risadas pela situação da colega, já controlada e com ela fora de perigo. Felizmente, não era de fato a pimenta recordista. Passar Carolina Reaper nos olhos pode significar cegueira definitiva para os mais sensíveis. 

 

Arte, artesanato, diversão em Embu das Artes.

Arte, artesanato, diversão em Embu das Artes.

 

Mesmo assim, brincadeira da colega de assar o dedo no olho poderia ter tido consequências trágicas. Mas deu tudo certo e o passeio rendeu fotos, risadas, cervejas e um dia muito divertido. Visite, viaje, curta, mas sem pimenta nos olhos!

 

Fim de tarde com por do sol e lua no céu azul.

Fim de tarde com por do sol e lua no céu azul.

.


Dicas de Viagem:

Quer visitar Embu das Artes? Aqui está o site da Prefeitura – http://cidadeembudasartes.sp.gov.br/embu/portal

Aqui você pode ler mais sobre Embu das Artes – https://pt.wikipedia.org/wiki/Embu_das_Artes

Gostou do passeio? Veja aqui os contatos da Hirlei Gonçalves, da Mix Aventuras e agende sua visita com o próximo grupo – www.facebook.com/mixaventuras

.

.

.

Anúncios