Vendedores ambulantes do Metrô de São Paulo

Com a crise econômica, mais gente está migrando para o comércio informal. O problema social divide a sociedade e causa mais problemas. O culpado disso tudo? Acompanhe este texto e dê sua opinião sobre os vendedores ambulantes do Metrô de São Paulo.

 

Estação da Luz, em São Paulo. Todo este aperto e você acha que o vendedor ambulante se importa com alguém?

Estação da Luz, em São Paulo. Todo este aperto e você acha que o vendedor ambulante se importa com alguém?

 

Silêncio no vagão do Metrô. Mas já na plataforma eu vi a movimentação e sabia o que me esperava.

Mal o trem sai da plataforma e o vagão do Metrô é invadido por uma gritaria de feira-livre. Fones de ouvido, chocolates, aparelhos variados, pendrives novos ou cheios de canções fruto de pirataria, doces, água e até cerveja dentro do Metrô de São Paulo. O conforto do passageiro é pouco. O Metrô é barulhento. O trem é ainda mais barulhento. Ambos chacoalham. Param constantemente e arremessam os passageiros de um lado para o outro sem piedade. Inércia. Conceito da física ensinado no fundamental que os operadores dos trens fizeram questão de não entender.

Entre desconfortos e a desumanidade de vagões superlotados, os espertalhões aparecem.

 

Eu NUNCA compro de vendedores ambulantes.

Eu NUNCA compro de vendedores ambulantes.

 

Vendedores ambulantes com suas bugigangas e quinquilharias, guloseimas cheias de açúcar e gordura trans e inutilidades. Mas o pior é ouvir a gritaria constante de “Promoção”, “Shopping Metrô”, ou as ameaças veladas que a maioria das pessoas não parece compreender:

” – Eu podia estar matando, eu podia estar roubando, mas não! Estou aqui vendendo estes chocolates para sustentar minha família.”

A ameaça é: “ou você compra de mim, ou amanhã eu viro bandido e vou te matar porque você não comprou meus chocolates hoje.”

 

Calma!! É a Índia, mas poderia ser o Brasil.

Calma!! É a Índia, mas poderia ser o Brasil.

 

De um lado, a população que se apieda de quem tem menos. De quem apesar de todas as dificuldades, ainda trabalha honestamente.

Honestamente? Será? Sem pagar impostos, utilizando o espaço público para benefício próprio e exclusivo, incomodando os demais e ajudando ainda mais a sujar e depredar o patrimônio que deveria ser de todos.

De outro lado, a incompetência de um governo corrupto e de um governador com seu partido, suspeitos de desvio de verba do transporte. O caso está sendo investigado, mas os seguranças do Metrô e o pessoal de limpeza simplesmente desapareceram.

 

Nenhum apoio aos péssimos serviços deste e de seu partido.

Nenhum apoio aos péssimos serviços deste e de seu partido.

 

Quando a economia melhora, os camelôs, os vendedores ambulantes diminuem. Mas a corrupção continua a mesma.

O local não é apropriado para a venda de produtos. Os produtos e seus ‘vendedores’ não pagam impostos. A viagem, que já é pouco confortável, é pautada em gritos e muitos incômodos. Alguns ainda atiram sobre as pessoas os seus produtos de qualidade duvidosa e evasão fiscal. Um crime atrás do outro. E nosso governador finge que nada acontece.

Hoje é um bom dia para ser ombudsman de quem usa o transporte público. O brasileiro paga passagens caras, serviços ineficientes, trafega por ruas esburacadas, é desrespeitado, socado dentro de ônibus e trens em uma forma hedionda de transporte e ainda está sujeito a ser roubado e atacado sexualmente, uma vez que o Estado, que deveria prover segurança, não está cumprindo com sua parte. Seja por incompetência, desinteresse ou corrupção.

 

Isso também é corrupção. Vender sem pagar impostos é desonesto. E o local é público, não a loja do sujeito.

Isso também é corrupção. Vender sem pagar impostos é desonesto. E o local é público, não a loja do sujeito.

 

E o cidadão paga cada vez mais caro por um transporte pior a cada dia.

E isso só em São Paulo?

Infelizmente, a cidade de São Paulo, com todos os problemas, e com as ruas remendadas porcamente e muito esburacadas, ainda parece ser a capital em melhores condições. No Rio de Janeiro o transporte público é ainda mais caro, alcança menos lugares, é mais demorado e não tem a variedade de meios como ônibus, Metrô e trem.

Minas Gerais tem a maior malha viária do Brasil e os problemas se acumulam, a frota é sucateada, ônibus que foram considerados sucata em São Paulo circulam pelas estrada mineiras, muitas mal sinalizadas e com asfalto ruim.

 

Temos que exigir transporte digno no Brasil.

Temos que exigir transporte digno no Brasil.

 

E no nordeste, as condições só fazem piorar.

Lembrando ainda que no caso do transporte aéreo, o tal preço das passagens só aumentou. E um certo presidente disse que, ao aceitar a cobrança da bagagem separada do preço das passagens, os preços iriam diminuir.

Mais que isso, os preços praticados nos restaurantes e lanchonetes dos aeroportos e rodoviárias ultrapassa qualquer valor razoável e honesto. O que novamente estimula a população a comprar do ambulante, do informal.

Novamente, a população sai perdendo.

 

Não compre de vendedores ambulantes.

Não compre de vendedores ambulantes.

 

Estamos desamparados no transporte público. E mais que apenas o voto, temos a possibilidade, ainda mais com a internet de nos manifestar contra a corrupção, os abusos, os crimes e os péssimos serviços que as ditas “autoridades” estão nos entregando.

Devemos sim deixar nossa posição de meros espectadores de nossas vidas, deixar de ser submissos e mostrar que o país pertence ao povo. E que se o vendedor ambulante está no lugar errado, cometendo vários crimes e delitos, nós não seremos cúmplices, não vamos comprar mercadoria de procedência duvidosa e vamos exigir atuação imediata de quem está sendo pago e foi contratado para melhorar o transporte existente e fazer funcionar o que está dando certo.

 

E com todo este tumulto, os ambulantes querem piorar ainda mais.

E com todo este tumulto, os ambulantes querem piorar ainda mais.

 

A população deve ser correta e dar a lição aos políticos. E deve ser dura na cobrança por serviços melhores.

.

.

.

Anúncios