Cineclube em debate

Sessões de filmes temáticas e conversas com os diretores levam questionamentos ao público jovem do bairro de Anchieta. Do dia 17 ao dia 20 de outubro, a Associação Cultural Conexão das Artes, em Anchieta, apresentará nove curtas de forma gratuita, seguidos com debates onde integrantes dos filmes poderão dialogar com os participantes.

 

 

Sessões de filmes temáticas e conversas com os diretores levam questionamentos ao público jovem do bairro de Anchieta

De 17 a 20 de outubro, de terça a sexta-feira, a Associação Cultural Conexão das Artes, em Anchieta, receberá o Cineclube em debate. O Cineclube em debate contará com quatro sessões de filmes, uma por dia, de terça a sexta-feira, duas delas com parte dos assentos destinados ao público convidado de escolas públicas e/ou projetos sociais do entorno. Após cada sessão haverá conversas com os realizadores ou parte da equipe dos filmes. O espaço será aberto a perguntas do público para que este possa dialogar com os integrantes diretos dos filmes promovendo o diálogo e a reflexão dos jovens sobre cada temática destacada nos filmes que serão exibidos. Toda a programação é gratuita.

 

Cena do filme Cante um Funk para um Filme.

Cena do filme Cante um Funk para um Filme.

 

O projeto faz parte do Programa Territórios Culturais RJ / Favela Criativa, da Secretaria de Estado de Cultura em parceria com a Light e a Agência Nacional de Energia Elétrica. Além do cineclube e dos bate-papos, o evento contará também com oficinas de animação, como flipbook e stop motion que serão oferecidas ao público participante nos dois últimos dias do projeto, na quinta-feira e sexta-feira. O Cineclube em debate tem a curadoria dos filmes realizada pela cineasta Helena Lessa, idealização de Ana Hortides e produção de Joana Nantes.

“O Cineclube em debate é um projeto de exibição de filmes com temática e questões relacionadas à juventude, bate-papos com os diretores e oficinas de animação. As ações propostas buscam o acesso dos jovens à produção nacional de filmes de curtas e médias metragens produzidos no Brasil nos últimos anos, valorizando a cultura local e o audiovisual brasileiro”, ressalta a idealizadora do projeto, Ana Hortides.

 

Cena do filme Casca de Baobá.

Cena do filme Casca de Baobá.

 

Programação

SESSÃO I – Inquietações da adolescência
TODAS AS MEMÓRIAS FALAM DE MIM (2015)
Direção: Alice Name Bomtempo
Duração: 15 min

Sinopse: Nós fomos amigos por um tempo, mas não amigos próximos, até porque eu a achava completamente inatingível. E aí ela veio correndo, me abraçou e me beijou. E sei lá. Na verdade, acho que nem aconteceu.

PELE SUJA, MINHA CARNE (2016)
Direção: Bruno Ribeiro
Duração: 14 min
Sinopse: João toma banho após mais uma pelada com seus amigos brancos.

 

Cena do filme Contos da Maré.

Cena do filme Contos da Maré.

 

SESSÃO II – Contos e fabulações
A COR DO FOGO E A COR DA CINZA (2014)
Direção: André Félix
Duração: 24 min

Sinopse: Wagner vive na favela e desde os 7 anos de idade é proprietário da Rede Metror, um canal de televisão feito de papel e lápis de cor. Após 11 anos e mais de 70 novelas transmitidas, Wagner dirige pela primeira vez atrizes reais.
 
CONTOS DA MARÉ (2013)
Direção: Douglas Soares
Duração: 17 min
Sinopse: Lendas urbanas, memórias de uma família e do local onde moram. Uma história de lobos, cobras e porcos para uma complexa Maré.

Contos da Maré
 

SESSÃO III – Música, Ritmo
CANTE UM FUNK PARA UM FILME (2007)
Direção: Emílio Domingos e Marcus Vinicius Faustini
Duração: 22 min

Sinopse: Através de faixas espalhadas pela cidade de Nova Iguaçu na Baixada Fluminense, procurando pessoas para cantar um funk para um filme, o documentário faz um registro sobre a importância subjetiva dos mais de 20 anos de funk carioca na vida das pessoas.

 

CANTE UM FUNK PARA UM FILME
ROQUES DE QUARTO (2016)
Direção: Helena Lessa, Jorge Polo, Lívia de Paiva, Lucas Andrade e Petrus de Bairros
Duração: 15 min
Sinopse: Evandro está voltando do trabalho para casa quando percebe uma coisa estranha no céu. Letícia e Santos colam lambe-lambes nos muros de uma rua. Na mesma noite, uma frequência misteriosa invade a fita em que Felipe grava suas composições em casa. O som de muitos tempos embala o presente.
Cena do filme Pele suja minha carne.

Cena do filme Pele suja, minha carne.

 
SESSÃO IV – Cultura, embate
CASCA DE BAOBÁ (2017)
Direção Mariana Luiza
Duração: 11 min

Sinopse: Maria, uma jovem negra nascida em um quilombo no interior do estado, é cotista na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sua mãe, Francisca, leva a vida cortando cana nas proximidades do quilombo. As duas trocam mensagens para matar a saudade e refletir sobre o fim de uma era econômica-social.

DESMONTE (2016)
Direção: Mari Cavalcanti
Duração: 7 min
Sinopse: A ruína carcomida da boa educação falida treme na base com os abalos da geração 2000.  

 

Cena do filme Desmonte.

Cena do filme Desmonte.

 

OS 3000 ANOS ERAM FEITOS DE LIXO (2016)
Direção: Ana Luisa Meneses, Luana Rosa, Ana Elisa Alves, Clara Chroma, Cleyton Xavier, Eduardo Sa Cin
Duração: 14 min

Sinopse: Montanhas de lixo pelas ruas. Pessoas cobertas de lixo e se hidratando com chorume. Lixos com um brilho neon. Lixo com holograma e som estéreo. O lixo é um outdoor de alta concorrência. O lixo é a nova moeda e seu lastro é maior que o d’ouro.

 

OS 3000 ANOS ERAM FEITOS DE LIXO

 

SERVIÇO
Cineclube em Debate
Associação Cultural Conexão das Artes: Rua Sargento Rego n. 126, Anchieta, Rio de Janeiro.
Datas: de 17 a 20 de outubro.
Horários: Sessões das 14h às 16h, de terça a sexta-feira. Oficinas das 16h às 17h30, na quinta e na sexta-feira.
Evento gratuito.
Classificação: 12 anos.
Facebook:
https://www.facebook.com/cineclubeemdebate/

.

.

.

Anúncios