As cavernas Pré-Históricas de Analândia

Analândia tem pelo menos 5 mil anos de arte. A prova disso são as pinturas rupestres encontradas nas paredes das famosas cavernas pré-históricas de Analândia. E agora, a cidade também tem festival de fotografia. Descubra mais com a gente!

.

Para quem gosta, uma caverna é quase um lar. A aventura é muito divertida.

Para quem gosta, uma caverna é quase um lar. A aventura é muito divertida.

.

As paisagens de Analândia são perfeitas para a fotografia, tão perfeitas que atraem fotógrafos de várias regiões do Brasil. Mais que isso, a região onde é atualmente a cidade de Analândia já serviu de cenário para inspirar artistas pré-históricos, que deixaram gravados na Gruta do Índio desenhos e sinais gráficos conhecidos com “arte rupestre”, a mais antiga representação artística da raça humana.

As descobertas de Analândia lançam um novo olhar sobre as ocupações pré-históricas no estado de São Paulo, no Brasil e também no continente Americano, já que são muito raras nessa região.

.

Pintura feita por habitantes pré-históricos de Analândia.

Pintura feita por habitantes pré-históricos de Analândia.

.

“Já trabalhávamos como guias para o turismo rural na Gruta do Índio desde 2013, mas só recentemente, quando trouxemos um grupo de pesquisadores para o local, é que descobrimos as pinturas. A gruta passou a ser tratada com o devido cuidado, pois agora sabemos que é um sítio arqueológico muito importante”, explica Marcelo Cavalcante, guia credenciado para levar os turistas ao local.

Para chegar na gruta é necessário fazer uma caminhada de cerca de 40 minutos em subida, uma trilha de nível médio, que exige algum preparo físico para vencer os 150 metros de desnível no morro.

.

Estas pinturas na rocha têm 5.000 anos de história!

Estas pinturas na rocha têm 5.000 anos de história!

.

Dentro das atividades do Analândia – Cidade Fotográfica, os turistas e visitantes terão a oportunidade de contratar o passeio, observar e fotografar as pinturas rupestres.

Analândia fica a 224 quilômetros de São Paulo para quem segue pela Rodovia dos Bandeirantes e está próxima ao município e São Carlos. De carro, dá umas 3 horas.

.

As cavernas já foram as casas dos habitantes pré-históricos. Seu acesso é fácil e o interior não apresenta riscos.

As cavernas já foram as casas dos habitantes pré-históricos. Seu acesso é fácil e o interior não apresenta riscos.

.

Mais Cavernas Pré-Históricas em São Paulo

Quem já viaja com A Bússola Quebrada sabe que a gente já encontrou cavernas que abrigaram tribos inteiras na pré-história brasileira.

.

Eternizados nas paredes, os feitos diários dos povos pré-históricos.

Eternizados nas paredes, os feitos diários dos povos pré-históricos.

.

Você, bravo aventureiro que nos acompanha, deve se lembrar que a caverna Ouro Grosso, dentro do Núcleo Santana, no Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira – PETAR – também abrigou tribos indígenas inteiras, motivo pelo qual a maior parte da caverna está fechada para o público. Utensílios e pinturas rupestres são estudados dentro da caverna, que esperamos, um dia será aberta para que todos os visitantes possam ver mais este resquício de nossa pré-história.

.

Olha a vista da janela ou porta da sua casa se você fosse um destes nativos da pré-história brasileira.

Olha a vista da janela ou porta da sua casa se você fosse um destes nativos da pré-história brasileira.

.

E as cavernas continuam preservando nossa história. Quem não se lembra de nossa visita à Caverna do Diabo, quando descobrimos que escravos fugidos se abrigaram no interior dessa imensa caverna?

Apenas para você se localizar, o PETAR está em Iporanga e nós visitamos muitas cidades ao redor do parque, como Itaóca, Barra do Turvo e Apiaí.

Iporanga está quase na divisa com o Paraná e fica a 328 quilômetros de São Paulo, seguindo pela BR-116.

.

Entradas para as cavernas de Analândia.

Entradas para as cavernas de Analândia.

.


Dicas de Viagem

Todas as informações sobre o “Analândia – Cidade Fotográfica” podem ser obtidas na página www.facebook.com/analandiacidadefotografica/

.

.

.

Anúncios