Jovens do Projeto Guri retornam de intercâmbio cultural na Noruega, Malawi e Moçambique

Após dez meses, músicos voltam falando inglês, com habilidades musicais desenvolvidas e compartilham as experiências vividas.

.

.

Após participarem do programa do intercâmbio MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange), criado pela JM Norway e promovido no Brasil pela organização não governamental Amigos do Guri, seis jovens músicos do Projeto Guri retornam ao Brasil com histórias sobre o período de dez meses que passaram na Noruega, Malawi e Moçambique.

Maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, o Projeto Guri promove esse intercâmbio uma vez ao ano. Inicialmente, todos os jovens passam por um período de imersão na Noruega nos 15 primeiros dias, onde conhecem os demais intercambistas e entendem detalhadamente os objetivos e responsabilidades durante a experiência. Na sequência, são distribuídos em dupla para países distintos. Toda a viagem e despesas são totalmente gratuitas para os selecionados.  

.

enan Dias, Cintia Galan, Gabriel dos Santos, Karoline Ribas, Marcelo Brito e Igor Crecci

Renan Dias, Cintia Galan, Gabriel dos Santos, Karoline Ribas, Marcelo Brito e Igor Crecci

.

Noruega

Diretamente de Ribeirão Preto, Cintia Galan, de 21 anos, que foi violonista do Polo Cravinhos do Projeto Guri, conseguiu reproduzir um Carnaval na Noruega, na escola Trøndertun Folkehogskole. Lá, compartilhou informações sobre a cultura brasileira em inglês e promoveu um show com ritmos como frevo, marchinhas de Carnaval e bateria de escola de samba.

Juntamente com Cintia, Igor Crecci, de 24 anos, educador de percussão no Polo Pedreira, em Campinas, se estabeleceu na cidade norueguesa de Trondheim. Mesmo sem falar inglês, o jovem deu aulas de percussão, se comunicando apenas com a linguagem musical. “Apesar do desespero por não falar inglês e nem norueguês, a música foi a forma que encontrei para interagir com as pessoas”, contou o jovem.

Ambos participam de um curso de produção musical e puderam colocar em prática os aprendizados em um Festival chamado FARK – Festival og arrangementskontoret Trondheim.

.

Gabriel e Karoline com Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank

Gabriel e Karoline com Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank

.

Malawi

Ex-aluno do Grupo de Referência de São Carlos e pianista, Gabriel dos Santos, de 19 anos, teve a vivência juntamente com Karoline Ribas, de 23 anos, que atua como percussionista e é ex-aluna do Polo Regional Presidente Prudente. Ambos viveram em Lilongwe, no Malawi.

No Malawi, tiveram aula do idioma africano chichewa. Durante duas semanas, os jovens planejaram atividades com os alunos da escola Music Crossroads. Karoline desenvolveu um workshop de percussão brasileira e Gabriel lecionava aulas de teoria musical.

Aos fins de semana, os músicos participavam de um trabalho voluntário na cidade de Dedza, em uma comunidade católica, onde Gabriel conduzia aulas de arranjo coral e Karoline de percussão brasileira para jovens de 15 a 25 anos. “Por uma questão cultural, no Malawi não é comum as meninas tocarem tambor. Por isso, sempre incentivava muito todas para que continuassem indo às aulas”, contou a percussionista.

Juntos, os jovens trabalharam no abrigo Adziwa, mantido com a ajuda dos atores Bruno Gagliasso e sua esposa Giovanna Ewbank. Lá, deram aula de musicalização para as crianças de 2 a 4 anos.

.

Cintia e Igor

Cintia e Igor

.

Moçambique

Renan Dias, de 25 anos, percussionista e ex-aluno do Polo Birigui, e Marcelo Brito, de 21 anos, ex-aluno de violão do Polo Cerquilho, ficaram em Moçambique, onde lecionavam no abrigo S.O.S. para moradores de aldeias. Pessoas de qualquer idade podiam participar. Sem estrutura para todos, os músicos revezavam os instrumentos para que todos pudessem tocar.

Os jovens foram responsáveis por estruturar uma Move Band com outros intercambistas noruegueses e malauianos. Tocaram bossa nova e funk para representar o Brasil e diversificaram o repertório com rock, música pop da Noruega e música infantil do Malawi. “Fizemos shows em lugares privilegiados, como a embaixada do Brasil e na Fundação Fernando Leite Couto”, contou Renan.

Marcelo trabalhou como voluntário no projeto Massana, mantido por três americanas, no centro da cidade, para crianças a partir de 5 anos que viviam nas ruas. Para lidar com esse público, o jovem adaptou sua linguagem e metodologia. Foi assim que criou o Tás A Ver, projeto de metodologia prática do ensino de música. “Estava me prendendo muito à parte técnica que aprendi no conservatório e, com o tempo, percebi que não funcionaria com eles. Cada dia tinha um rosto diferente na sala e tive que mudar a minha abordagem, deixá-la prática”, disse o violonista.

Parceiros locais: Prefeituras Municipais de São Carlos, Presidente Prudente, Birigui, Cerquilho, Cravinhos e Jundiaí.

Projeto Guri www.projetoguri.org.br

.

Marcelo e Renan

Marcelo e Renan

.

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Amigos do Guri: Instituto CCR por meio da CCR AutoBAn e CCR SPVias; CTG Brasil; VISA; VALGROUP; Supermercados Tauste; AES Tietê; Microsoft; WestRock; Novelis; Usina Colorado; Banco Votorantim; Capuani do Brasil; Caterpillar; Grupo Maringá; Pinheiro Neto; EMS; Sky; Magazine Luiza; Mercedes-Benz; ASTA; Catho; CODESP; Raízen; Arteris; Supermercados Rondon; Castelo Alimentos; Hasbro.

Sobre o Projeto Guri
Mantido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é considerado o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Amigos do Guri, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria de Cultura que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 710 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

.

.

Sobre a Amigos do Guri
A Amigos do Guri é uma organização social de cultura que administra o Projeto Guri. Desde 2004, é responsável pela gestão do programa no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo – idealizador do projeto –, a Amigos do Guri conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Amigos do Guri, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir:
 www.projetoguri.org.br/faca-sua-doacao.

.

.

.