Mondial de la Bière 2018 – Eu fui!

Aproveitamos o feriado para visitar o Mondial de la Bière do Rio de Janeiro, e vamos te contar tudo o que vimos, ouvimos e provamos! Vem com a gente!

 

Tava Sol, mas também tava fresquinho. Dia perfeito!

 

O feriado da independência acabou, e com ele também acabou a edição de 2018 do Mondial de la Bière do Rio de Janeiro, que aconteceu entre os dias 05 e 09 de setembro, nos armazéns 2, 3 e 4 por Píer Mauá.

 

A zona portuária revitalizada tava bem cheia. E como estamos em época de eleição, tinha um monte de candidato fazendo campanha.

 

A gente foi lá conferir e tomar umas cervejas… porque não somos de ferro!  Provamos muitas novidades e muitas premiadas. O estilo em destaque esse ano foi a sour, que como o nome indica tem um sabor mais ácido.

 

Do lado de dentro, fresquinho…

 

… do lado de fora, essa vista!

 

O dia clima ajudou muito. Um belo dia de inverno carioca que fez todo mundo sair de casa feliz. Mais do que isso, fez os armazéns ficarem bem fresquinhos, deu para a galera ficar do lado de fora e proporcionou um vista maravilhosa da Baía de Guanabara.

 

Cervejas vencedoras

O primeiro dia do Mondial de la Bière foi marcado pela divulgação das melhores cervejas, segundo os jurados convidados pelo evento. 376 rótulos foram inscritos no concurso Mbeer Contest Brazil, uma competição com avaliação baseada nas qualidades intrínsecas da cerveja.

 

Na Antuérpia os destaques eram os rótulos vencedores.

 

Um júri composto por profissionais nacionais e internacionais premiaram os rótulos nas categorias ouro e platina no primeiro dia do evento. Sem estilos pré-definidos, os juízes fizeram provas às cegas, sem qualquer informação sobre os produtos.

 

Tirei essa foto só para provar que eu tava lá.

 

Foram 13 medalhas de ouro e uma de platina. A grande vencedora deste ano, que levou a platina, foi a Antuérpia, com a Nikita Cherry Hickey, uma Russian Imperial Stout. Entre as categorias de cerveja que se destacaram na premiação, estão as Sours – estilo ácido; as envelhecidas em barris de destilados, que dão aroma às cervejas; e as Imperial Stout, com alto teor alcóolico.

 

As cervejas que ganharam medalha de ouro foram:

– Suburbana, com o rótulo Treta, estilo Berliner Weisse;

– Roter Brauhof, com o rótulo Roter Sour Ale, estilo Sour Ale;

– Overhhop, com o rótulo Aeternum – uma American Imperial Stout – e Gravioh LaLa, uma Catharina Sour;

– Mistura Clássica, com o rótulo Catharina Sour Goiaba, estilo Catharina Sour;

– Wonderland Brewery, com o rótulo Gone Mad, uma American IPA;

– Dádiva, com o rótulo Brewer’s Cut, do estilo American Sour;

– Bodebrown, com os rótulos Regina Sour Framboesa – do estilo Berliner Weisse – e Cacau Ipa Wood Age, uma American IPA;

– Thirsty Harks Farm Brewery, com o rótulo Ginga De La Boe, envelhecida em barril de gim;

– Cerveja Matisse, com o rótulo Saboya, uma Catharina Sour;

– FarraBier, com o rótulo comemorativo #2anos, estilo Catharina Sour;

– Colorado, com o rótulo Guanabara Wood Aged, uma Russian Imperial Stout.

 

Da premiadas, além da Nikita Cherry Hickey da cervejaria de Juiz de Fora, também provamos a Gravioh lala e a Regina Sour Framboesa.

 

Atomic Watermalon e Black Forest Sour

 

Outras que experimentamos foram: a Saison Montfort Au Chardonnay da curitibana Bodebrown; a Atomic Watermelon e a Black Forest Sour da Rock Bird; a Pilsen de Café e Cacau que faz parte da nova linha Sabores Intensos da Ashby; a Lambreta, red ale da Gaspar Family Brew; a passion is never too much, um trocadilho maroto para a fruit beer de maraujá mais maravilhosa que você vai provar e a Black Antrrax Maple, ambas da cervejaria carioca Quatro Graus; a witbier de capim limão da Show de Bola, cervejaria de Macaé; e a Brigitte, outra witbier – porque eu gosto muito – da cervejaria Búziosvencedora na categoria de melhor cerveja do mundo no estilo Witibier, no “World Beer Award 2017”, na Inglaterra .

 

 

Bebemos outras da Farra Bier, da Overhop e da BrewLab, mas eu não lembro os nomes. Dizem que o álcool faz isso com as pessoas. 

 

Outros destaques

Muitas coisas boas para falar dessa edição. Ainda que tivesse muita gente lá – o dia que fomos estavam com ingressos esgotados – não estava lotado. E os banheiros estavam muito limpos e sem filas absurdamente grandes.

Banda Tchopu fazendo um tributo ao Pearl Jam. Tem vídeo lá no nosso instagram!

 

A música foi uma atração a parte. Dentro dos armazéns uma rádio tocava música ambiente, para pessoas ecléticas não colocarem nenhum defeito. E vários shows de bandas ótimas, em dois palcos muito bem localizados entre os armazéns.

Uma reclamação, a única também, os pontos de hidratação (que para quem não sabe o que é, são bebedouros gratuitos para lavar os copos e beber água) estavam com defeito. Muitas torneiras não funcionavam ou tinham pouca pressão. Uma pena!

O evento foi ótimo e já estamos esperando o do ano que vem!!


Agradecimentos:

Mondial de la Bière RJ: www.mondialdelabiererio.com

Documennta Comunicação: www.documennta.com.br

 

 

 

Anúncios