Motivos para Comemorar o Natal

Natal é época de Noite Feliz, entendimento, paz, harmonia e bons sentimentos. Vamos dar a você algumas sugestões para te fazer pensar que o Natal pode sim ser uma época legal. A gente acredita em entendimento entre os povos. Quem sabe você lendo este texto, começa o a olhar o Natal com outros olhos? Feliz Natal!

Chegou mais um Natal e você está aí sem saber o que há para comemorar? Bem, você pode não ter religião. Pode achar hipocrisia aquele seu parente aparecer depois de um ano inteiro e querer fingir intimidade, pode discordar das tradições e pode até odiar panetone porque tem uvas passas. 

 

Já aviso que este nosso Natal vai ser diferente!

 

Mas, fora a parte das uvas passas, tenho uma sugestão que talvez te agrade. Que tal fazer do Natal aquela data do “Lembrei de Você”? É fácil: Você trabalha o ano inteiro, estuda, tem todas as dificuldades normais que todos temos, esquece de dizer às pessoas o quanto elas são importantes pra você e o quanto a presença delas faz bem na sua vida. Mas chega o Natal e você pode anotar na agenda aquela data do ano que você faz coisas especiais, diferentes, como o Dia da Independência, ou o Carnaval, ou as festas juninas. Você tem alguma coisa a comemorar nestes dias. Ou quem sabe a sua data especial é o seu aniversário, ou de alguém que você ama. Isso é com você. Mas pense só, uma data, que é feriado, que serve pra você parar e pensar que você pode ser judeu ou judia, muçulmano ou muçulmana, cristão ou cristã, espírita (ufa, até que enfim uma religião sem gênero), jedi (que bom, outra!) ou ateu/ateia, que você pode comemorar o Natal como aquele feriado bacana do “Lembrei de você e te amo!”

 

 

Lembrei de você e te amo!

Funciona assim: Aqueles amigos que você não vê faz tempo, podem receber uma ligação, um SMS, um zap, um cartão de Natal, um abraço, post nas redes sociais ou e-mail com figurinha bonita. Ou apenas aquele pensamento carinhoso e aconchegante, que faz a gente se sentir bem e lembrar de bons momentos. A gente que viaja por aí, sempre conhece alguém de quem gostou, que os espíritos bateram, que deixaram uma marca brilhante no caminho da nossa jornada. Gente que a gente amou. Que nem sempre a gente lembra, mas quando faz isso, faz com alegria e boas recordações.

Isso serve pra vizinhos, parentes distantes, amigos sumidos, e toda aquela variedade de “ex” de quem a gente já gostou tanto, e que por algum motivo não está mais por perto.

 

 

Já deu certo antes

Se você ainda está descrente, tem mais motivos para acertar a data do Natal como um dia legal de dizer “Eu te amo” até para o entregador da conta de luz.

Houve uma vez, já faz mais de um século, não é lenda, foi real, durante a Primeira Guerra Mundial, em 1914, entre as trincheiras alemãs e inglesas, no meio dos disparos e explosões na Terra de Ninguém, área conhecida por ser impossível de haver vida, trecho bem entre os dois exércitos, os tiros foram diminuindo, os canhões começaram a se calar, os flagelos sumiam aos poucos e o que se ouviu,bem tímido no começo, mas ganhando força aos poucos, foram canções de Natal!

Os ingleses cantavam Oh Come, All Ye Faithfull, e os alemães respondiam com Adeste Fidelis. Palavras de entendimento, misericórdia, esperança e fé em tempos melhores. 

 

O Natal nas trincheiras foi lembrado com uma ideia inspirada da Banda The Farm, dos anos 1990, na canção All Together Now.

 

Combina bem com o Brasil

Quem viu o caos que foi 2018 vai lembrar das batalhas entre coxinhas e mortadelas, bolsomínios e petralhas, mocinhos e bandidos (difícil acertar quem é quem), esquerda e direita, e a internet dando espaço a uma legião alucinada clamando por sangue inocente.

Criamos uma guerra em nosso país, que vai bem desfazer com compreensão, entendimento, fé, esperança. Quem sabe o homem barbudo vestido de vermelho agrada a alguns, enquanto o imigrante pobre, de roupa surrada e sem berço agrada outros. 

Vai que a gente entende, começando nesta época, que todos querem um país melhor, um mundo melhor, e até uma cidade melhor ou uma vizinha mais ajeitadinha. Quem sabe a gente entende que a dor de dente de um é a dor de dente do outro também, porque somos tão semelhantes, que a empatia deveria ser nosso sentimento mais importante. Todo mundo tem fomes e dores, todo mundo sente tristeza e frio. A gente podia pensar mais nisso. E um bom momento para pensar em coisas assim é eleger o Natal como uma época de lembrar dos próximos, dos distantes, dos amigos e de se sentir um tiquinho na pele dos desconhecidos. Vai que a gente começa a fazer do nosso planetinha um lugar mais legal de se viver?

 

 

Para falar de paz e entendimento, nada como as fotos de criancinhas, bebês, em ensaios de newborn, que todo mundo acha bonito, e um pouco de música para ajudar na parte da alegria e bons sentimentos. E claro, para ninguém pensar que a história do cessar fogo de 1914 é conversa nossa, olha o link para o fato no fim do texto.

Seja bom pelo menos uma vez no ano. Todo mundo precisa começar em algum ponto, né? Vai que você acostuma? Felicidades, boas viagens! E Feliz Natal a todos!

 


Dicas de Viagem:

Sobre o Cessar-Fogo no Natal de 1914, aqui você tem a história toda – https://pt.wikipedia.org/wiki/Tr%C3%A9gua_de_Natal

Agradecimentos às bandas The Farm, dos anos 1990 e Twisted Sister, na ativa desde o final dos anos 1970.

Sobre Roni Sanches

Um dos fotógrafos brasileiros mais requisitados para fotos de recém-nascidos e de gestantes. Roni Sanches mantém em seu estúdio, em São Paulo, sets especiais para cada faixa etária, além de profissional de enfermagem capacitada para manipular os recém-nascidos. Mais sobre o trabalho de Roni Sanches no site: www.ronisanches.com

 

 

 

 

.

Anúncios